Futebol: Raí investe mais de R$ 15 milhões no Paris FC, time da segunda divisão francesa

AFP - SIMON WOHLFAHRT

O ex-jogador brasileiro Raí, que fez sucesso na França durante sua passagem pelo Paris Saint-Germain (PSG) nos anos 1990, se tornou acionista minoritário do Paris FC, um time da segunda divisão francesa. A informação foi divulgada nesta terça-feira (28) pelo presidente de clube, Pierre Ferracci.

“Raí tem uma dimensão que vai bem além do futebol”, disse o presidente do time ao confirmar a notícia, divulgada um pouco mais cedo pelo jornal esportivo francês L’Equipe. “Nós aumentamos nosso capital em mais € 8 milhões. Esse foi o quarto aumento desde que estou à frente do time e a maior parte de nossos acionistas minoritários apoiaram nossa decisão. Mas eu conservo a maioria”, explicou Ferracci, que está à frente da equipe desde 2012.

A empresa Sport Bridges Venture (SBV), da qual Raí é sócio, investirá € 3 milhões (mais de R$ 15 milhões) como parte desse aumento de capital do clube. “Teremos mais meios para recrutar [novos jogadores], mas também para as infraestruturas da equipe D1 feminina, que vai jogar na Liga dos Campeões”, indicou Ferracci.

“Estou muito feliz em receber a Sport Bridges Venture no Clube”, disse o presidente do clube parisiense no comunicado oficial que anunciou a transação. “O Paris FC continua a se cercar de empreendedores inovadores e estratégicos, para nos ajudar a construir um clube diferente e de alta qualidade em Paris, preservando nossa cultura. Estamos muito orgulhosos de continuar esta aventura junto com nossos torcedores e parceiros”, disse ainda Ferracci.

Sem brigas com torcedores do PSG

“O meu amor por Paris, pelo esporte e a vontade de novos desafios que possam ter um impacto positivo em mim e na vida da sociedade, levaram-me a aceitar esta nova aventura”, declarou Raí nas redes sociais. “Toda a minha vida, meu destino e meus projetos sempre foram traçados em torno de valores, ideais, paixões e convicções muito bem definidos: solidariedade, humanismo, amor, espírito coletivo, justiça social, partilha, esporte, conhecimento, belos desafios e performance. Foi assim que construí um caminho que marcou minha vida, a história do Paris Saint-Germain, o coração de seus torcedores e minha alma, para sempre”, completou.

Raí, que vive atualmente na França, foi capitão do PSG em 1994. O ex-jogador não está ligado a nenhum time desde que pediu demissão do cargo de diretor esportivo do São Paulo, em fevereiro de 2021.

No entanto, o ex-capitão da Seleção diz que continua muito ligado à história e à torcida do PSG. “Sem eles, eu não seria o que eu sou e não poderia me engajar hoje em um novo desafio no mundo do futebol aqui na nossa capital”, ressaltou Raí, em um recado enviado aos fãs franceses. “Espero que essa história continue entre nós”, reiterou o craque em sua conta no Instagram.

(Com informações da AFP)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos