Funk ganha exposição online e gratuita sobre sua criação e impacto no Brasil

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.11.2020 - Retrato de Konrad Dantas, o Kondzilla. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.11.2020 - Retrato de Konrad Dantas, o Kondzilla. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A plataforma Google Arts & Culture -que disponibiliza mapas de museus e acesso a acervos de galerias do mundo todo- inaugurou, para celebrar o Mês da Consciência Negra, uma coleção inédita dedicada à história do funk brasileiro.

A seção "Funk - Relíquia da Periferia" foi montada em parceria com o Instituto Kondzilla, ONG que é braço da produtora de funk do mesmo nome, e une o acervo do grupo ao de outras oito instituições culturais brasileiras para falar sobre as origens e o impacto da manifestação cultural.

O projeto reúne informações que começam no Rio de Janeiro de 1970, onde o ritmo periférico nasceu influenciado pelo som dos atabaques africanos e segue até a criação de subgêneros que apareceram ao longo do tempo, como o proibidão, o ostentação, o mandelão e o bregafunk, entre outros.

Além disso, também investiga o impacto em outros setores, como o design e a moda -que se manifesta nos cortes de cabelo, nos óculos e nas réplicas de marcas famosas- além da dança, com a criação do passinho nos anos 2000.

A exposição, que mistura formatos como imagens, áudios e vídeos, ainda fala sobre a repressão e o impacto do funk na economia.