"Fui vítima da depressão enquanto falava sobre qualidade de vida para milhões de pessoas"

Foto: Reprodução/Instagram@fernandorocha11

Desde sempre achei normal a melancolia de todos os domingos. Desde que me entendo por gente também sempre achei que sábados eram sempre o oposto das segundas-feiras e que rotinas por si só sempre eram detestáveis. Não sei quando exatamente passei a fazer parte desse grupo imenso de 320 milhões de pessoas no mundo que sofrem com algum tipo de depressão.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Eu sempre fui muito mais alegre do que triste. Meus amigos dizem que sou capaz de passar um dia inteiro conversando com qualquer pessoa sobre assuntos diversos.

Leia também

E eu concordo com eles. Por isso é tão difícil traçar o perfil de quem tem depressão. Os sintomas podem variar entre a tristeza profunda, a apatia, o mau humor, a perda da libido, e nos mais velhos, a demência. E como não existe um exame de laboratório pra indicar essas dosagens depressivas, só um médico pode dar o dar um diagnostico de depressão.

E pra muitas pessoas que têm medo e preconceito de buscar o tratamento essa é a parte mais difícil: o caminho pode ser longo. Por isso decidi contar aqui um pouco da minha historia:

Apresentador de um programa diário de saúde e qualidade de vida eu também fui vítima da depressão. Mesmo sendo alegre e cordial, mesmo praticando atividade física mesmo tendo uma família linda que me ama muito.

Busco lá na infância as primeiras sombras dessa tristeza profunda que vem misturada com o luto pela morte do meu irmão Bráulio e depois pela insatisfação crônica dos domingos à tarde.

Entendia os sintomas da depressão enquanto dava dicas ao vivo para milhões de pessoas em um programa que falava sobre saúde e qualidade de vida. E que exigia de mim antes de tudo a rotina que eu tanto abominava. Eu não acabei com a rotina mas a rotina quase acabou comigo.

Sigo me tratando. Olho pra mim e vejo agora a minha rotina dentro de uma nova perspectiva e vejo que eu passei por um grande processo de autoconhecimento. Uma oportunidade única de me conhecer melhor. Apesar da canção dizer que é 'melhor ser alegre que ser triste' foi com o manejo da tristeza e da alegria que entendi que a vida é todo dia.