'Fui linchado e peço paz', diz Pedro Bial após criticar filme de Petra Costa

Foto: Mauricio Santana/Getty Images

Após criticar o filme “Democracia em Vertigem”, documentário dirigido pela brasileira Petra Costa sobre o impeachment de Dilma Rousseff indicado ao Oscar, o jornalista e apresentador Pedro Bial publicou um artigo no jornal O Globo em que diz que foi “linchado” e pede “paz”.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

“É com a carcaça moída e esfolada de tanta pancada virtual que venho a público acenar: bandeira branca. Amor. Eu peço paz”, escreveu o jornalista, que comanda o programa de entrevistas “Conversa com Bial” na Globo.

Leia também

Bial diz que suas críticas ao filme foram interpretadas fora de contexto, já que foram expressas em uma conversa “informal”, em entrevista ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, na última segunda-feira (3).

“Palavras ditas num papo assim, transcritas para o papel, ganham peso enganoso, o sorriso na voz se perde”, escreveu o jornalista. “Não me queixo, faz parte.”

Bial foi duramente criticado nas redes sociais, inclusive por famosos como a ex-presidente Dilma Rousseff, que classificou os comentários do jornalista como “grosseria misógina e sexista”, quando comentou que Petra era “uma menina dizendo para a mamãe dela que fez tudo direitinho”.

O apresentador diz que este trecho também foi tirado de contexto, já que ele teria feito o comentário “numa leitura psicanalítica mais profunda”, e que seria o mesmo caso o diretor fosse um homem, “um menino sob as ordens de mamãe”.

“Apanho sem berrar, só não me venham com o machismo de tratar como menina indefesa uma mulher que sabe bem se defender”, escreveu Bial.

No artigo, Bial também elogia Petra - “excelente realizadora, com um filme extraordinário, 'Elena', e um ótimo, 'Olmo e a gaivota'” - e diz que a “ficção” de que se trata o filme, em suas palavras, é natural em filmes do gênero documentário narrados em primeira pessoa, como é o caso de “Democracia em Vertigem”.

“Documentários não precisam informar, no sentido jornalístico do termo”, diz Bial. “O sujeito que vai assistir a seu filme, querendo ser informado do factual histórico, é avisado logo de início de que se trata da história particular da realizadora.”

Por fim, Bial diz que torce para que o filme seja vencedor do Oscar de melhor documentário e critica o presidente Jair Bolsonaro pelo que ele chama de “mais uma amostra do retardo intelectual de nosso governante”.

“É um escândalo que se gaste o dinheiro público para atacar nossa artista de destaque internacional”, disse o jornalista em referência ao vídeo que a Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) postou no Twitter acusando Petra de “denegrir” o Brasil.

“Um filme brasileiro no Oscar é sempre bom para o Brasil. Se ganhar, melhor ainda. Viva o cinema brasileiro”, conclui Bial em seu artigo.