França reduz celebração do Dia da Bastilha por coronavírus

Força Aérea francesa sobrevoa Arco do Triunfo em comemoração ao Dia da Bastilha

PARIS (Reuters) - A França realizou uma celebração anual do Dia da Bastilha nesta terça-feira sem nenhum dos tanques e tropas habituais desfilando pela avenida Champs Élysées, em Paris, devido à epidemia de Covid-19 que ainda afeta a Europa.

O presidente Emmanuel Macron, em pé atrás de um jipe ​​militar, passou por fileiras de soldados distanciados na Praça da Concórdia, após um sobrevoo de aeronaves militares.

"Desejo, com todos os franceses e os militares, prestar uma homenagem vibrante aos trabalhadores da saúde e àqueles que, em todos os setores, permitiram que a vida pública, social e econômica continuasse", afirmou Macron em mensagem divulgada antes do evento.

"A dedicação, tenacidade, coragem, solidariedade que emergiram fortemente em toda parte, em nossas cidades e em nosso campo, exigem admiração."

É a primeira vez desde 1980 que o desfile anual não é realizado ao longo da avenida Champs Élysées.

Na terça-feira, não foi permitido aos espectadores permanecer perto da Praça da Concórdia, a maior de Paris, a fim de evitar a propagação da doença que matou pelo menos 30.000 pessoas na França.

O Dia da Bastilha, ou o Dia Nacional da França, remonta à revolução de 1789. Naquele dia, os cidadãos invadiram a fortaleza da Bastilha, que era usada para deter prisioneiros e havia se tornado um símbolo do governo severo da monarquia francesa.

(Reportagem de Sybille de La Hamaide)