Final antecipada ou antecipada decisão

Mauro Beting
·1 minuto de leitura
Pedro do Flamengo que precisa jogar mais FOTO Carl de Souza-Pool/Getty Images

Internacional 2 x 2 Flamengo, no turno do BR-20, no Beira-Rio, foi o melhor jogador no Brasil desde 2019. E contando.

Logo depois Dome foi derrubado e Coudet pediu as contas para acertar com o Celta.

Tipicamente brasileiro - mesmo que dirigido por um espanhol e por outro argentino.

No domingo, no Maracanã, se der o Inter que acabou de reaizar a proeza da maior sequência de vitórias nos pontos corridos, o Brasileirão vai terminar antes da hora a favor do campeão de tudo desde que conquistou (invicto) seu último nacional, em 1979.

Se der empate pelo equilíbrio atual entre o melhor time e melhor elenco (não necessariamente futebol durante o BR-20) e o surpreendente Colorado de Abel, fica tudo para a última e imponderável rodada.

Se der o dono da casa (mas não da torcida na arquibancada esvaziada), que tem jogado melhor futebol nas últimas partidas que o pressionado Inter pelas limitações e circunstâncias, a ponta virá pela primeira vez para o time que desde a primeira rodada era o maior favorito.

Foi mais ou menos assim que o Flamengo ganhou o BR-09. Fez quase tudo errado antes e durante o Brasileirão. E acabou na última rodada campeão - também superando o Inter.

Em 2020, com muito mais time e elenco, mas sem o futebol exuberante de 2019 (mesmo só tendo perdido Jorge Jesus, Rafinha e Pablo Marí), o Flamengo já várias vezes não veio “no agora vai”. Não faltaram tropeços alheios e limitações rivais.

Agora, porém, depende apenas dele. A matemática ainda não lhe é favorável. Mas já foi mais madrasta.

Tem mais time e menos desfalques para o jogo que pode decicidir tudo. Ou encaminhae quase tudo.

Palpite?

Flamengo.