Flávio Bolsonaro afirma que Queiroz estaria com ele no Senado se 'nada de anormal tivesse acontecido'

Juliana Dal Piva
·2 minuto de leitura
Fabrício Queiroz cumpre prisão domiciliar - Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images
Fabrício Queiroz cumpre prisão domiciliar - Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images

Ao prestar depoimento para o Ministério Público Federal (MPF), o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) relatou que a “expectativa” era que Fabrício Queiroz, seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), fosse trabalhar com ele após a eleição para o Senado em 2018.

Queiroz foi exonerado do gabinete em outubro daquele ano, depois de mais de uma década como funcionário de Flávio. O MPF apura se essa demissão foi motivada porque ocorreu um vazamento de dados da movimentação atípica de R$ 1,2 milhão de Queiroz e que constava das investigações da Operação Furna da Onça. O procedimento foi aberto porque o empresário Paulo Marinho relatou a existência do vazamento.

Leia também

No vídeo do depoimento ao qual O Globo teve acesso, Flávio Bolsonaro foi questionado pelo procurador Eduardo Benones sobre o motivo da exoneração de Queiroz e informado de que o ex-assessor relatou, também em depoimento ao MPF, que pretendia trabalhar com ele no Senado.

O filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou a intenção de Queiroz. O senador relatou que Queiroz iria trabalhar com ele em Brasília caso o escândalo sobre a movimentação atípica dele no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) não tivesse vindo à tona em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, no dia 6 de dezembro de 2018.

- A expectativa era que ele (Queiroz) viesse comigo mesmo, sempre foi uma pessoa da minha confiança - afirmou Flávio. - Se não tivesse acontecido nada de anormal, como aconteceu, ele provavelmente estaria aqui (Senado) comigo hoje. As coisas foram acontecendo nesse cronograma e explodiu essa situação dele em dezembro, dia 6 de dezembro, obviamente que não tinha mais clima dele ir trabalhar comigo - finalizou Flávio, no depoimento prestado em seu gabinete no Senado.