Fisher-Price e as crianças: como os pequenos interferem na produção dos brinquedos

Sala de observação do Play Lab - nela as crianças são observadas no livre brincar e em interação com outras crianças
Sala de observação do Play Lab - nela as crianças são observadas no livre brincar e em interação com outras crianças

Patrocinado por Fisher-Price

Por Shirley Hilgert

Há poucos dias, tive o prazer de visitar o Play Lab, o laboratório de pesquisa e desenvolvimento de brinquedos da marca queridinha de pais, mães e crianças: a Fisher-Price.

O Play Lab está localizado em East Aurora, nos EUA. Uma cidade pequena, pacata, encantadora e cuja história se mistura com a história do Play Lab, criado no ano de 1961.

Confesso para vocês que a primeira coisa que me chamou atenção ao chegar até as instalações do Play Lab foi que encontrei uma creche. Na hora, imaginei: que legal, uma creche para os funcionários da empresa. Mas não, era mais do que isso. Era uma creche para a comunidade local, sejam eles filhos de funcionários ou não.

Isso, para mim, demonstra bem a cultura da Fisher-Price: uma empresa que desde os primórdios tem um propósito social, com foco 100% voltado para a criança e que busca, através de seus produtos e ações, contribuir para um mundo melhor.

No museu da Fisher-Price, que ficava junto ao Play Lab, conhecemos um pouco da história da empresa. A marca surgiu logo após a grande depressão e com um propósito muito forte de gerar empregos, criar renda para famílias e injetar capital na economia (que estava passando por um dos seus piores períodos já vivenciados até então). Mas além desse objetivo já louvável havia outro, talvez ainda mais importante: tratar o brincar como coisa séria, como algo capaz de mudar o mundo, porque era exatamente nisso que seus fundadores acreditavam.

A primeira série de brinquedos lançada pela Fisher-Price. Ao todo foram 13 diferentes brinquedos
A primeira série de brinquedos lançada pela Fisher-Price. Ao todo foram 13 diferentes brinquedos

Em uma das paredes do Play Lab li a seguinte frase e ela, para mim, explicita exatamente no que a marca de brinquedos infantis e pré-escolares acredita: “As crianças dominam o mundo. Elas são nossos heróis e a nossa inspiração. Eles são a razão pela qual fazermos coisas maravilhosas todos os dias. Por isso, nós tratamos o brincar como se o futuro dependesse disso, porque, na verdade, ele depende.”

Antes mesmo de existir o Play Lab – um laboratório estruturado para observar as crianças em livre interação com brinquedos de forma a desenvolver sempre produtos 100% seguros e adequados aos pequenos – a Fisher-Price já tinha sua atenção totalmente voltada às crianças. Todos os brinquedos criados eram testados por elas, de forma caseira mesmo, na sala de um de seus fundadores – Hermann Fisher - e todas as observações feitas eram anotadas para levar à melhoria daquele brinquedo analisado.

Vista que os observadores têm das crianças brincando nas sala que simula uma casa
Vista que os observadores têm das crianças brincando nas sala que simula uma casa

Os brinquedos da Fisher-Price nunca foram criados tendo em mente somente o que a equipe de criação e design julgava ser adequado. Esse era o ponto de partida, claro, mas a partir daí muita coisa acontecia, muita mudança e melhoria era implementada, justamente porque as crianças eram observadas enquanto brincavam. Sempre foram elas que mandaram.

Desde muito cedo, Herman Fisher percebeu que observar a criança interagindo com o brinquedo era essencial e, justamente por isso, sempre foi possível criar brinquedos encantadores, seguros e que ajudam a criança no seu desenvolvimento cognitivo e motor.

Mas claro que só observar de forma “caseira”, no chão da sua própria sala, não era o suficiente, e assim surgiu a ideia do Play Lab, um espaço estruturado, com uma equipe formada por diversos especialistas, como músicos, terapeutas, psicólogos, educadores, e que tivesse, como sempre, a criança no centro de tudo.

Quando se fala em “laboratório” e em “crianças” pode soar estranho. Mas estando lá se percebe o imenso cuidado e respeito que há com todos os envolvidos, sejam eles pais ou crianças. Apenas para ilustrar: crianças menores de 2 anos não podem realizar atividades no laboratório por mais de 15 minutos e crianças acima de 2 anos não podem ultrapassar duas horas brincando. Ou seja, o trabalho de observação é feito de forma respeitosa e saudável, com crianças brincando e se divertindo em total segurança.

Pra mim, foi uma imensa satisfação confirmar na prática algo que eu sempre acreditei existir na marca Fisher-Price: cuidado, carinho, amor, preocupação com segurança e respeito e a criança como grande protagonista de tudo. Estar lá e conhecer o Play Lab e a história da Fisher-Price pessoalmente só me deixaram ainda mais fã da marca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos