Fiocruz pedirá uso emergencial da vacina da Astrazeneca à Anvisa

·1 minuto de leitura
An illustrative photo showing a medical syringe seen in front of Pfizer-BionTech, Moderna and AstraZeneca-University of Oxford logos displayed on screens in the background on Christmas Eve. On Thursday, December 24, 2020, in Dublin, Ireland. (Photo illustration by Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)
Foto: Artur Widak/NurPhoto via Getty Images

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária afirmou nesta quarta-feira, 30, que a Fiocruz deverá pedir o uso emergencial da vacina da Astrazeneca contra a covid-19. O instituto brasileiro tem parceria com o laboratório britânico no desenvolvimento do imunizante.

Em comunicado, a Anvisa informou que a empresa não identificou dificuldades para atender os requisitos da agência reguladora. No entanto, a nota não fala sobre qualquer prazo para apresentação do pedido.

O prazo para análise da Anvisa é de 10 dias, a partir da entrada do pedido. “Este período pode ser menor, a depender da quantidade de pacotes de informação já entregues pelo laboratório para a Anvisa dentro do processo de Submissão Continua”, disseram os representantes da Anvisa.

Leia também

No Reino Unido, a vacina desenvolvida pela Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford já obteve aprovação para o uso emergencial.

Nísia Trindade, presidente da Fiocruz, afirmou na manhã desta quarta-feira que os documentos para registro da vacina até 15 de janeiro. “O nosso registro já está sendo submetido com a perspectiva de entrega final de documentos até a data de meados de janeiro, de 15 de janeiro” disse.

A previsão do ministério da Saúde é que a vacinação no Brasil comece em fevereiro. Entre 8 e 12 de fevereiro, o governo federal espera receber o primeiro lota com um milhão de doses do imunizante da Astrazeneca.