Lutador que doou bolsa para rival deixa sonho olímpico e mira UFC

Filipe Esteves está invicto em sete lutas de MMA. (Adilton Venegeroles/Brazil MMA)

Filipe Esteves ganhou manchetes no Brasil e no mundo após conquistar um cinturão de MMA na Bahia, em agosto, e abrir mão do pagamento que receberia para ajudar seu adversário, que gastou todo seu dinheiro nas passagens para ir de Belém a Salvador de ônibus.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

Agora, seu foco é adicionar mais vitórias ao currículo e conquistar um contrato com o UFC.

Veja outras notícias de MMA e lutas

Na época em que doou sua bolsa de R$ 500 ao oponente, Esteves fazia uma vaquinha online para arrecadar dinheiro e participar de uma competição de wrestling, que valeria vaga para os Jogos Olímpicos de 2020, mas a falta de verba para ir à Ásia fez com que ele perdesse o prazo de inscrição. Embora ainda aspire a uma vaga nas próximas Olimpíadas, seu sonho mudou.

“Iniciei no judô e jiu-jitsu aos oito anos e sempre tive o sonho olímpico pelo judô. Depois migrei para o wrestling e mantive esse sonho olímpico, mas vi que as coisas eram complicadas depois de 2016. Vi que não dependia só de mim, e esse sonho olímpico meio que esfriou,” disse o lutador ao blog.

“Dei uma pausa no MMA para lutar o Sul-Americano de wrestling no Chile porque faço parte da seleção brasileira e tenho que ganhar medalha nessa competição para poder manter meu bolsa atleta internacional, que é o dobro da nacional. Esse bolsa atleta é o que me ajuda a me manter como atleta”.

Esteves recebeu propostas para lutar MMA antes do Sul-Americano, marcado para o dia 25 de novembro, mas a proximidade do torneio de wrestling — e o fato de perder muito peso para lutar MMA — o obrigou a dizer não.

O baiano ainda tentará vaga olímpica em uma competição de wrestling no primeiro semestre de 2020, mas retomará a carreira nos ringues até lá. Ele já recebeu sondagens pra lutar no Shooto Brasil e disputar o cinturão do Fight On, ambas para dezembro, mas nada está concretizado até o momento.

Seja onde for, o objetivo do peso-mosca (57kg) é seguir invicto no MMA até assinar contrato exclusivo com o UFC.

“Sempre assistia a lutas de MMA e ao UFC desde pequeno, sempre fiz boxe e muay thai, e esse sonho agora é o que toma conta de mim. Não tenho mais tanta vontade de ir às Olimpíadas. Só priorizei esse Sul-Americano porque preciso do dinheiro, não posso abrir mão disso para lutar MMA. Mas, depois desse Sul-Americano, eu volto a focar 100% no MMA”, disse.

Veja mais de Guilherme Cruz no Yahoo Esportes

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter