Com crise do coronavírus, filho de Edmundo vende geleias para pagar contas

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
Alexandre Mortágua. Foto: reprodução/Instagram/amortagua
Alexandre Mortágua. Foto: reprodução/Instagram/amortagua

Filho do ex-jogador Edmundo e da ex-modelo Christina Mortágua, o cineasta Alexandre Mortágua resolveu investir em uma nova empreitada para driblar a falta de trabalho com a crise causada pela pandemia do coronavírus. O cineasta independente, de 25 anos, anunciou nas redes sociais que sua nova fonte de renda é a venda de geleias nesse período.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Tempos difíceis para uma #gayfreela como eu. Eu amo cozinhar, e os últimos meses foram bem ruins de trabalho (tipo quase nada). Ficar sem pagar as contas ainda não pode. Eu e minha parceira de vida resolvemos produzir algumas coisas gostosas que cozinhamos em casa no dia a dia”, escreveu o rapaz no Instagram.

Leia também:

Batizada de “Geleia do Lelesauro”, a produção caseira oferece sabores como pimenta, maçã verde e hortelã, carambola e gengibre. Ele explica que usa açúcar orgânico na produção dos doces, que custam em média R$ 20.

“Tudo fresco e gostosinho e feito com muito amor porque a gente gosta mesmo de esquentar a barriga no fogão. Tenho alguns potes já prontos pra pronta-entrega e aceitamos encomendas pra semana que vem. se quiser sugerir algum sabor, só mandar mensagem”, anunciou Alexandre, pedindo a ajuda dos amigos para espalhar a notícia.

A iniciativa ganhou o apoio de seus admiradores. “Muito sucesso! Vai dar tudo certo!”, comentou uma seguidora. “Que tenha sucesso... Admiro pessoas que lutam. A vida não para”, afirmou outra.

Alexandre, que herdou o sobrenome artístico da mãe, tem uma relação distante com o pai. Em entrevista para Luciana Gimenez, no ano passado, o jovem não vê Edmundo há nove anos.

“A última vez que encontrei meu pai eu tinha 16 anos e foi pela decisão de um juiz. Quando você lembra de uma pessoa que você gosta, você pensa na sua mãe, por exemplo, vem um cheiro, uma frase engraçada, uma comida gostosa. Dele não me vem nada”, contou.