Filha de Belchior moderniza legado do pai em EP: "Comparações não são bem-vindas"

Belchior e Vannick Belchior. Foto: Reprodução/Globo/Divulgação
Belchior e Vannick Belchior. Foto: Reprodução/Globo/Divulgação

Resumo da notícia:

  • Filha de Belchior lança EP “Das Coisas Que Aprendi Nos Discos” com regravações do pai

  • Em entrevista ao Yahoo, Vannick Belchior abre detalhes sobre novo trabalho

  • Ela ainda comentou sobre a experiência de dar continuidade ao legado do cantor

Vannick Belchior celebra a continuidade do legado do pai, Belchior, com o primeiro EP de sua carreira. O lançamento ocorre aos seus 25 anos, mesma idade em que o ícone da MPB iniciou como artista. "Das Coisas que Aprendi nos Discos", que remete ao verso de "Como Nossos Pais", sucesso composto por Belchior, apresenta seis clássicos regravados na voz da filha mais nova de quatro herdeiros do rapaz latino-americano.

Em entrevista ao Yahoo, a jovem cearense abriu o coração sobre a relação com o pai, de quem viveu distante depois da infância, e as expectativas para a trajetória como cantora após se formar na faculdade de Direito e decidir seguir o caminho artístico de vez.

O início na música

Questionada sobre as memórias com Belchior, a artista destaca as idas aos shows do pai até por volta dos 10 anos de idade, quando ele passava por Fortaleza. "Ficava no camarim, tive a oportunidade de cantar para ele. Lembro dele emocionado, lembro das conversas que tinha com a minha mãe sobre eu seguir a carreira como cantora. Minha mãe já sabia e ele também já sabia de alguma forma", conta.

A caçula de Belchior sempre soube que iria cruzar com o caminho da música, mas foi um encontro específico que determinou o início de sua trajetória oficial na arte. Depois de se formar na faculdade, Vannick decidiu comparecer a um show de Tarcisio Sardinha, velho companheiro de estrada do pai, e foi chamada para conhecê-lo a pedido do próprio artista, que queria ouvi-la ao descobrir que uma das filhas de seu amigo da música estava por lá.

"Comecei a cantar e ele já me enxergou como cantora e disse que já sabia com quem ele iria matar a saudade de tocar Belchior, que seria comigo. Então, ali, ficou definido que eu iria seguir uma carreira na música e esse legado que foi deixado pelo meu pai", relata ela, que destaca a importância de Sardinha ao ajudá-la a dar seus primeiros passos como artista.

"Das Coisas que Aprendi nos Discos"

Disponível nas plataformas digitais a partir desta sexta-feira (12), o EP "Das Coisas que Aprendi nos Discos" traz os clássicos "Como nossos pais”, “Sujeito de Sorte”, “Apenas Um Rapaz Latino Americano”, “Galos, Noites e Quintais”, “Paralelas” e “De Primeira Grandeza” na lista selecionada a dedo. É uma mistura das faixas as quais Vannick se identifica com os sucessos que Belchior não deixaria de cantar. "A gente quis mesclar isso, fundir o meu trabalho com o dele, só agregar um ao outro", explica.

Ao refletir sobre a presença do pai em seu trabalho, a cantora prefere deixar que o público defina o que enxerga como continuidade e representatividade do DNA de Belchior embora não deixe de destacar a identificação com o artista. "Me identifico pelo fascínio pela música popular brasileira, a tradição dessa música e a expressão no palco, a força com que a música nos atravessa e como isso causa um incêndio em nossos corações e em nossa alma de explorar a força da MPB", declara.

Esse trabalho é uma reconexão com meu pai, uma forma de reparação do que um dia foi ausência e hoje é presença"Vannick Belchior

No entanto, Vannick busca entregar um toque de modernidade no repertório do pai, trazer uma vibe mais contemporânea na voz de uma jovem da nova geração. "Venho trazendo essa contemporaneidade nos arranjos, permanecendo a essência do meu pai, todo o trabalho que ele construiu, mas uma forma nova, mais contemporânea, com essa mudança dentro da musicalidade", afirma.

Comparações não são bem-vindas

Sem negar suas raízes, Vannick não encara as comparações como algo positivo. Para a cantora, é natural que ela tenha o pai como referência, mas eles não são a mesma pessoa. "Não me comparo com meu pai, eu me inspiro no meu pai", pontua. "A comparação é muito vazia, é muito mais uma insegurança do nosso caminhar em relação ao outro", completa.

Ela ainda afirma que Belchior não gostaria de vê-la se comparando com ele e apoiaria que seguisse seu próprio caminho, da forma como vem fazendo, aprendendo com o seu legado musical e humano. "As comparações não são bem-vindas no meu processo humano e artístico", conclui. Confira o clipe da versão de "De Primeira Grandeza" na voz de Vannick:

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo: