Ficha policial com digitais de Charles Manson é posta à venda por R$ 500 mil

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O documento que registrou a prisão de Charles Manson em 1969 foi colocado à venda por US$ 95 mil (R$ 516 mil) pela casa de leilões Moments in Time. A ficha policial com as digitais do ex-líder criminoso tem duas páginas, e lista seus detalhes físicos no momento em que foi preso.

Manson ficou preso por 48 anos devido a uma série de crimes, entre eles, o assassinato da atriz Sharon Tate, mulher do cineasta Roman Polanski, então com 26 anos e grávida de oito meses. Ele morreu aos 83 anos, em novembro de 2017, na Califórnia, nos EUA.

A ficha traz as informações de que ele foi preso por roubo e homicídio, além de estar enfrentando sete acusações de homicídio à época. Ali também constam seus dados, como a cidade natal de Manson, seu endereço e sua ocupação, descrita como músico.

A casa de leilões disse ter comprado o documento de um colecionador de itens criminosos históricos. Os lances pelo item devem aumentar o seu valor com a realização do leilão. Em 2015, Manson estava de casamento marcado, mas o serial killer desistiu da união com sua noiva 53 anos mais jovem, Elaine Burton. Segundo o "The New York Post", Manson descobriu que Elaine e seus amigos pretendiam expor seu cadáver, quando ele morresse, em uma redoma de vidro em Los Angeles.

Ela acreditava que, com o casamento, teria posse legal do corpo do assassino. A ideia, aparentemente, era atrair muitos visitantes e ganhar dinheiro com a exposição mórbida. Mas Manson descobriu o plano e terminou o noivado.