Fernanda Lima resgata lembranças para homenagear o pai, vítima da Covid-19 há um ano

·2 minuto de leitura
A apresentadora Fernanda Lima falou sobre a saudade do pai, Cleomar, morto há um ano. Fotos: reprodução/Instagram/fernandalimaoficial
A apresentadora Fernanda Lima falou sobre a saudade do pai, Cleomar, morto há um ano. Fotos: reprodução/Instagram/fernandalimaoficial

Resumo da notícia

  • Fernanda Lima homenageou o pai, Cleomar, morto há um ano por complicações da Covid-19

  • Apresentadora resgatou bilhetes escritos na infância e falou sobre saudade nas redes sociais

  • Ela ganhou a solidariedade de artistas como Linn da Quebrada, Lan Lahn e Monica Iozzi

Fernanda Lima fez uma singela homenagem ao pai, Cleomar, que morreu há um ano, em decorrência de complicações da Covid-19. Neste sábado (17), a apresentadora compartilhou bilhetinhos escritos por ela na infância para matar a saudade.

"Um ano sem a presença marcante, sem as piadas sacanas, sem a ironia, sem os gritos de alegria, sem as ligações preocupadas, sem os abraços apertados e demorados, sem os beijos babados. Não aceito. Mas o que se há de fazer? Lembrar e guardar as lembranças", escreveu ela, na publicação feita no Instagram.

Leia também:

A apresentadora contou que encontrou vários conteúdos parecidos, mas que tem feito essa viagem ao passado aos poucos. "Achei pastas e pastas. De todos os bilhetes e cartinhas de criança e de todas as cartas trocadas já na vida adulta. Ainda não tive coragem de ler tudo… É muita memória, muito amor. Pai, um ano sem ti", disse.

O post rendeu mensagens de solidariedade de fãs e amigos. "Meus sentimentos, Fernanda. Sinto muitíssimo mesmo", comentou a cantora Linn da Quebrada.

A percussionista Lan Lahn, que em breve será mãe de gêmeas, contou que passou por um luto semelhante. "Perdi meu pai também. 'Lembrar e guardar as lembranças'", disse.

As palavras de Fernanda emocionaram ainda a atriz Monica Iozzi, que escreveu: "Sinto tanta falta do meu também… E lá se vão 23 anos sem ele já".

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Cleomar morreu aos 84 anos, após 120 dias internado com Covid-19. Em abril, Fernanda confessou carregar a frustração de saber que ele não encarou a gravidade da pandemia.

"Ainda pego o meu WhatsApp para escrever para ele", afirmou ela à coluna de Mônica Bergamo na "Folha de S. Paulo". "Ao mesmo tempo em que vivo isso [tristeza], tenho um pouco de indignação, de fúria. Me sinto mal de não ter conseguido convencê-lo de que a coisa era séria. Ele negou [o perigo do coronavírus], sabe? Falou: 'Isso não é nada, é uma gripezinha mesmo'."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos