Renato Feder recusa convite para assumir o comando do Ministério da Educação

Grasielle Castro
·2 minuto de leitura
Feder foi quase ministro por duas vezes nas últimas semanas.
Feder foi quase ministro por duas vezes nas últimas semanas.

Secretário de Educação do Paraná, Renato Feder anunciou neste domingo (5) que recusou o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando o Ministério da Educação. A decisão ocorre depois de Bolsonaro ter feito o convite, mas ter avisado a aliados que estaria procurando outro nome.

O Planalto confirmou à imprensa que o convite havia sido feito e que Feder teria dito “sim”. No entanto, após a imprensa noticiar Feder como novo ministro, o presidente passou a sofrer pressão de vários lados. Até mesmo a bancada evangélica mandou avisar que não aceitava o indicado ao ministério.

A ala ideológica foi uma das mais pressionou contra o indicado. O grupo que manteve o controle do ministério até a queda de Abraham Weintraub torce por alguém que seja ideologicamente alinhado aos seus princípios e que tenha o aval de Olavo de Carvalho.

Os bolsonaristas encontraram inconsistências no currículo de Feder. A Secretaria de Educação do Paraná o apresenta como mestre, o empresário, no entanto, segundo o currículo lattes, está com o mestrado em andamento desde 2002.

A ala militar também não havia gostado da escolha e batia na tecla das falhas no currículo. Foram erros no currículo que levaram à demissão de Carlos Alberto Decotelli. Ele ficou no cargo apenas 5 dias e nem chegou a tomar posse.

Havia também a queixa de que Feder era próximo ao PSDB. Ele chegou a trabalhar alguns meses para a...

Continue a ler no HuffPost