Famosos protestam contra uso de 'expressão criativa' como evidência criminal

Drake, Coldplay e outros grandes artistas assinam carta aberta para proteção da arte negra credit:Bang Showbiz
Drake, Coldplay e outros grandes artistas assinam carta aberta para proteção da arte negra credit:Bang Showbiz

Drake, Megan Thee Stallion, Coldplay e outros assinaram a carta aberta 'Art on Trial: Protect Black Art' (que traduz como Arte no Tribunal: Proteja a Arte Negra).

Diversos músicos, executivos da indústria, especialistas jurídicos e gravadoras assinaram uma carta defendendo a expressão criativa ao mesmo tempo em que protestam contra a forma como as letras de rap são usadas para criminalizar artistas negros.

A carta refere-se ao rapper Young Thug, que está atualmente cumprindo sentença na prisão do condado de Fulton, nos Estados Unidos, por acusações de extorsão – que teve suas letras de música citadas como evidência de “um ato claro em prol da conspiração”.

"Nos tribunais de todo o país, a tendência de promotores usarem a expressão criativa de artistas contra eles está acontecendo com frequência preocupante", diz a carta elaborada e publicada pelo Warner Music Group.

“Independentemente do meio – música, artes visuais, escrita, televisão, cinema – os fãs entendem implicitamente que a expressão criativa é enraizada no que os artistas veem e ouvem; é um reflexo dos tempos em que vivemos. O trabalho final é produto da visão e imaginação do artista”, lê-se.

Além de Drake e Megan Thee Stallion, outros artistas proeminentes de hip hop assinaram a carta, incluindo Quavo, Meek Mill, 21 Savage, Jack Harlow, 2 Chainz, Travis Scott, Big Sean e muitos outros.

Também assinaram a declaração Normani, John Legend, Post Malone, Willow e Alicia Keys, além de empresas como Universal Music Group, Live Nation Entertainment, Spotify, TikTok e YouTube Music, entre outras.

"Rappers são contadores de histórias, criando mundos inteiros povoados com personagens complexos que podem interpretar heróis e vilões", continua o texto. "Mas mais do que qualquer outra forma de arte, as letras de rap estão sendo usadas essencialmente como confissões na tentativa de criminalizar a criatividade e a arte negra".

A carta descreve o uso de letras "contra artistas dessa maneira" como "anti-americano e simplesmente errado", alegando um "óbvio desrespeito à liberdade de expressão e expressão criativa protegidos pela Primeira Emenda" da constituição estadunidense, e descrevendo-o como "uma atitude racialmente direcionada".

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, assinou uma lei exigindo que os juízes pressionem os promotores para explicar o propósito por trás de usar letras de música como provas de criminalidade.

"Pedimos aos promotores que cessem voluntariamente essa prática em suas jurisdições", conclui a carta. “Enquanto isso, encorajamos os legisladores nos níveis estadual e federal a limitar explicitamente como a expressão criativa pode agir contra os réus em julgamento.”