Família negra celebra nova princesa Ariel, mas cobra por mais diversidade

Cantora norte-americana Halle Bailey

Por Danielle Broadway e Phil Lavelle

(Reuters) - Quando Shannon e Chandra LaNier mostraram a seus filhos o trailer de "A Pequena Sereia", com a cantora negra norte-americana Halle Bailey como Ariel, eles receberam gritos de emoção e exclamações de "Ela é negra!".

Shannon publicou a reação de seus filhos no Instagram em comemoração à nova versão negra do clássico filme de princesa.

Como tantas outras crianças e pais negros, os LaNier se sentiram vistos diante da nova versão de Ariel com seus cachos ruivos. O filme tem provocado uma reação racista de alguns, mas a alegria de outros é estrondosa.

A Reuters conversou com Shannon, Chandra e seu filho Carter, de 6 anos, e as filhas McKenzie, 9 anos, e Madison, 11 anos, sobre o que significa para eles ter uma Ariel negra.

"Ficamos realmente surpresos e estamos muito animados", disse Madison. "Estamos muito felizes que isso vai acontecer."

McKenzie disse estar feliz por haver uma sereia negra, uma vez que é bom para as crianças terem uma princesa ou príncipe que se pareça com eles.

O pai deles, Shannon, fundador do podcast que compartilha imagens positivas de pais, o DaddyDuty, afirma que isso é um grande passo para a Disney, mas mais trabalho precisa ser feito para melhorar a diversidade em todo o setor, assim como nos locais de trabalho.

Carter quer ver um príncipe negro adicionado à lista da Disney também, para que ele possa ver a si mesmo e outros garotos negros representados nos filmes da franquia.

"Ver agora como uma princesa pode ter a cor de pele delas e há alguém além das princesas Tiana e Jasmine, que as representa - é uma coisa boa para mim", disse a mãe Chandra.

(Reportagem de Danielle Broadway e Phil Lavelle)