Família de militar dos EUA processa Alec Baldwin e pede indenização de R$ 130 mi

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A família de um militar norte-americano que morreu em combate no ano passado, processou o ator Alec Baldwin, 64, na última sexta-feira (26). Os familiares de Rylee McCollum acusam o artista de incitar violência contra Roice, irmã do soldado, em suas redes sociais.

Segundo o jornal The New York Post, a família de McCollum pede uma indenização de US$ 25 milhões, cerca de R$ 130 milhões, na cotação atual. Baldwin e os McCollum iniciaram sua relação também no ano passado, pouco tempo após a morte de Rylee, vítima de um ataque no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Kabul, capital do Afeganistão.

O astro teria enviado um cheque de US$ 5 mil, cerca de R$ 26 mil, para a viúva do militar, como um tributo à memória dele. Porém, ele teria se arrependido ao ver uma publicação de Roice em que ela se demonstrou favorável à invasão feita por apoiadores de Donald Trump ao Capitólio dos EUA, em Washington.

"Quando eu enviei o dinheiro para o seu irmão falecido, por respeito aos serviços prestados por ele para o país, eu não sabia que você era uma manifestante de 6 de janeiro. Suas atividades resultaram na lamentável destruição de propriedade governamental, na morte de um oficial de justiça, no ataque a uma eleição presidencial legítima", escreveu o ator em uma mensagem a Roice.

Além disso, o artista compartilhou a publicação de Roice. A família alega que desde então ela tem sido alvo de "mensagens hostis, agressivas e cheias de ódio", e tem sido acusada de se envolver com grupos nazistas. Os McCollum também afirmam que vêm sofrendo pressão para que restituíssem os R$ 26 mil doados por Baldwin.