Família de dublê de 'The Walking Dead' recebe R$ 35,2 milhões após queda fatal

Kanishka Singh
Fox/Divulgação

A família de um dublê de The Walking Dead, que morreu há dois anos no set de filmagem da série, recebeu US$ 8,6 milhões (R$ 35,2 milhões na cotação atual) de um tribunal da cidade norte-americana de Atlanta, informou um advogado.

Os pais de John Bernecker haviam processado a AMC Networks, responsável pela série, e outros acusados da produção da série. Eles justificam que a empresa comprometeu medidas de segurança por causa do cronograma e de preocupações financeiras.

O homem tinha 33 anos quando morreu, em julho de 2017, no set de Senoia, localizado cerca de 64 quilômetros ao sul de Atlanta, na Geórgia. Ele caiu em um piso de concreto de uma altura de seis metros.

O espólio de Bernecker, representado pela mãe, recebeu a soma como indenização civil, sem nenhum valor punitivo adicional, do júri do Tribunal Estadual do condado de Gwinnett de Atlanta.

A AMC Networks não foi considerada negligente nem responsável na decisão unânime, e na quinta-feira, 19, disse que o set de The Walking Dead obedece os padrões da indústria para a segurança de dublês.

"Este foi o caso durante a produção das dez temporadas e mais de 150 episódios e continua a ser o caso hoje, exceto por este acidente muito triste e isolado", disse o canal.

Jeff Harris, advogado da família, se pronunciou sobre o caso na quinta-feira. "Minha esperança sincera é que este veredicto mande uma mensagem clara sobre a necessidade de elevar e se ater estritamente aos padrões de segurança da indústria em cada dia, em cada tomada, em cada set de filmagem", disse.

"A morte trágica e evitável de John aconteceu como resultado de uma série de falhas relacionadas à segurança. Aprender com estas falhas ajudará muito a evitar que tragédias semelhantes aconteçam com outro profissional ou outra família", acrescentou.