Fala de Vyni sobre Eliezer evidencia preconceitos sobre amizade entre homens

·5 min de leitura
Vyni fala do
Vyni fala do "BBB22" no "Mais Você" (Reprodução Globoplay)

Em sua participação no "Mais Você", Vyni levantou uma questão importante ao responder Ana Maria Braga sobre sua relação polêmica com Eliezer no "BBB22". O brother foi demonizado pelo público por sua ligação com Eli, e a recusa de Vyni de jogar em prol de focar seu tempo no relacionamento com o amigo revoltou quem gosta do reality e queria ver o brother se jogando nas dinâmicas e botando fogo no parquinho.

Com o tempo, o jogo de Vyni foi totalmente ofuscado por sua amizade com Eliezer. Todas as suas movimentações na casa precisavam envolver o amigo, e o brother chegou a pedir para ficar no castigo do monstro para não ser separado de Eli. Aos poucos, o público se irritou com a passividade e falta de assertividade e opiniões próprias de Vyni, e começaram as acusações de que o cearense estava apaixonado pelo amigo e se humilhando em troca de afeto. A situação chegou ao ápice quando Eliezer e Natália estavam transando e a sister saiu do quarto e pediu que Vyni pegasse uma camisinha para o casal.

Questionado sobre a amizade intensa com Eliezer, Vyni deu risada, e foi incisivo ai dizer que nunca teve nenhuma expectativa romântica em relação ao amigo. "A forma que a amizade foi caminhando deu uma atrapalhada no meu jogo, porque eu me entrego muito. Eu sou exagerado, intenso demais. Priorizei mais a amizade em si, o próprio Eli, do que o meu jogo. Por isso gerou a interpretação sobre isso. Mas é bom a gente lembrar que pessoas gays podem ser amigas de pessoas heteros, homens podem ser amigos de mulheres... é entre pessoas. Nunca foi nada além da amizade. Eu sou muito generoso, acolhedor;. Mas tudo tem que ter limite", explicou.

A fala de Vyni levanta uma questão importantíssima não só para a leitura do jogo do "BBB22" como em um âmbito mais profundo: até que ponto estereótipos de gênero e sexualidade não fazem com que sempre vejamos uma amizade de forma tendenciosa? Será que não acusamos Vyni de estar se apaixonando e se "humilhando" para Eliezer porque não conseguimos ver uma relação de carinho entre dois homens (independente da orientação sexual) como naturalmente afetuosa, sem passar pela questão do sexo? De acordo com estereótipos de masculinidade e patriarcalismo, homens não podem demonstrar afeto físico entre si. Como Vyni é declaradamente gay, o preconceito lê que ele sempre vai estar interessado sexualmente em Eliezer.

Vyni também foi coerente ao dizer que de fato errou no jogo ao só pensar em seu carinho e afeto pelo amigo. "Eu tendo a me doar, a cuidar da pessoa sempre, o tempo todo. Eu sou um amigo muito fiel, fiel até o ponto de ser besta, de fazer tudo pelos outros. Eu demorei a me tocar disso, e esse foi meu erro lá dentro. Mas a minha amizade intensa com o Eli eu não me arrependo, e não errei nas minhas relações lá dentro, em me doar".

Acolhimento

Não por acaso, Linn da Quebrada foi a única a ter um olhar diferenciado para o brother em sua passagem pela casa. Em uma festa, antes da expulsão de Maria, ela chegou a conversar com o cearense sobre seu crush por Eliezer. "A gente gosta das pessoas e a gente não consegue dizer os limites, é difícil colocar os limites da onde até vai uma coisa e da onde passa uma coisa para virar outra. E nessa a gente vai achando que não está se machucando e, às vezes dói, não machuca, mas dói um pouquinho. A gente quer ser gostado um pouquinho, né?", disse ela.

Em conversa com Brunna e Maria, Linna ainda falou que se entristece ao vê-lo sofrendo por Eli porque já passou por isso. As reações aos beijos do "BBB 22", inclusive, mostram que travestis não são vistas como opções de amor. É fácil entender de onde vem essa empatia da artista.

Nesta quinta-feira (17), a equipe de Vyni lamentou os ataques que ele tem recebido: "É muito triste que mesmo após Viny se abrir e falar exatamente como se sente após tudo o que passou, falar o quanto se apega após uma demonstração de carinho, por já ter se esquecido de como é se sentir amado, gostado, pessoas ainda consigam menosprezar e tacar hate em cima dele. Mas acreditamos que isso diz muito mais sobre quem faz, do que sobre ele em si. Sabemos que Vyni tem um coração lindo e que luta diariamente contra todas suas dores. Cadê a empatia que tanto pedem?".

Homofobia flagrante

Vyni não cometeu nenhuma violência ou injustiça em sua passagem pelo "BBB22", e seus erros de jogo prejudicaram apenas ele mesmo. O brother sempre permaneceu de coração aberto com todos os colegas de confinamento, sendo receptivo e empático até mesmo com pessoas que falaram mal dele em determinadas situações.

Se o brother era tão querido por todos dentro da casa, o que motivou tanto ódio por um jovem cujo único "erro" foi dar afeto a alguém que não correspondia na mesma moeda? A resposta é simples: Vyni é gay, negro, nordestino e pobre, e passa por inúmeros atravessamentos estruturais que o colocam em uma posição de marginalização dentro do programa. O hate que Vyni recebeu após as primeiras semanas de reality, quando o público se decepcionou com a falta de ação e passividade do brother, é um reflexo de um cenário maior de violência contra pessoas LGBTQIA+ na web.

No início de 2021, a Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos da SaferNet recebeu 2.529 denúncias de LGBTfobia na internet. Em 2020, a plataforma registrou 1.226 denúncias. Desde o início da pandemia, a população LGBTQIA+ sofreu um grande impacto no campo da saúde mental. Numa pesquisa realizada com mais de 7 mil pessoas pelo #VoteLGBT, em parceria com a Box1824, 55% foram diagnosticados com o risco de depressão no nível mais severo, índice quase 8% a mais que na pesquisa de 2020 (47%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos