"Fadinha do skate", Rayssa Leal encarou preconceito dentro da família para poder praticar esporte

Ela conquistou todo o Brasil voando alto em seu skate nas Olimpíadas de Tóquio. Aos 14 anos e sorriso cativante, Rayssa Leal, a "Fadinha do Skate", entende com naturalidade seu papel no empoderamento de meninas que querem praticar o esporte.

Na trilha até esse momento, no entanto, precisou encarar diversos preconceitos, inclusive da família. "Tinha aquela coisa de 'skate não é pra menina!' e na minha família não foi diferente! Mas, graças a Deus, a gente conseguiu mudar a forma deles pensarem sobre o skate", contou ao Yahoo em entrevista exclusiva.

Rayssa hoje tem um público grande e fãs apaixonados pelo jeito espontâneo e cativante da menina. Uma delas é mais especial: sua mãe. Aliás, fã nada! Durante nossa conversa, foi possível perceber o carinho e admiração de Rayssa por Lilian Leal, uma espécie de ídolo. Ela acompanha a filha em quase todos os compromissos, ajuda a escolher os looks, contribui na sua gestão de carreira e até dá dicas de movimentos maneiros no skate.

"Ela foi aprendendo as manobras. Eu falava assim: 'mamãe, como que faz pra eu jogar essa daqui?' Ela falou assim: ó, coloca o teu pé na ponta pra ver se 'flipa' melhor, ou deixa teu corpo mais reto", exemplifica Rayssa, que continua: "Mesmo eu estando com medo eu sei que eu tenho que mandar, porque se eu não mandar, eu não vou ter um resultado muito bom".

Roma

Natural do Maranhão, a menina conversou com o Yahoo pouco antes de partir para Roma, onde participou do Pro Tou der Roma, o primeiro evento de street skate na corrida classificatória da modalidade para as Olimpíadas de Paris-2024. Rayssa acabou ficando em quinto lugar, com 247,69 pontos.

Assista à entrevista completa:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos