Fábio Porchat critica Bolsonaro: "Deveria confiar na ciência"

O artista não poupou críticas (Foto: Reprodução/Instagram/@fabioporchat/@jairmessiasbolsonaro)

Fábio Porchat participou de uma live no Instagram de Márcia Goldschmidt para falar sobre carreira, humor e o assunto do momento: coronavírus. No bate-papo, o apresentador criticou a atuação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

“A gente tem que confiar na ciência e não naquilo que a gente quer acreditar. Quando a gente elege um presidente não é só para ele fazer aliados, é para ter um chefe com condição de lidar com o país no meio de uma crise. Você pode ser Bolsonaro de carteirinha, mas vai ver, nitidamente, que ele não consegue lidar com essa situação”, opinou o artista.

Leia também

Porchat disse ainda que está há um mês em casa e fica muito chateado com o comportamento de algumas pessoas que não estão levando a situação a sério. Segundo ele, o posicionamento do presidente faz com que as pessoas sejam ainda mais negligentes.

“Só saio para ir ao mercado e as pessoas estão fazendo churrasco. Os profissionais da saúde estão morrendo e as pessoas querem sair para jogar bola na rua, falam que é uma gripezinha”, criticou ele, inconformado. “Quando você fica doente você vai no médico ou no militar?”, questionou em seguida.

A preocupação de muitos é com a economia. Porchat diz que se entristece quando pensa em tantas pessoas que terão seus negócios fechados, mas não tem outra opção no momento. “Isso me incomoda de uma forma muito grande. É muito triste. A economia vai ficar uma merda, mas a dos outros países também. Vamos poupar as vidas. A gente tem que obedecer a OMS”, apelou o artista.

Márcia Goldschmidt, que mora em Portugal, contou que lá o isolamento tem sido rígido e o governo cancelou tudo que seria feito em 2020. “Aqui na Europa está tudo fechado. A gente entra no supermercado de um por um. Prevenir é melhor que remediar. Não vamos lidar com o desconhecido de peito aberto”, opinou.