Fabiana se torna a verdadeira "Dona do Pedaço" e desbanca Josiane nas maldades

Foto: Divulgação/TV Globo

A gente não sabe muito bem em que capítulo aconteceu, mas a verdade é uma só: Fabiana (Nathália Dill) virou a legítima dona de “A Dona do Pedaço", a novela que a gente ama reclamar, mas todo dia corre para ver.

A irmã da Vivi Guedes, como todo mundo que assiste já está cansado de saber, foi criada em um convento, mas é invejosa, gananciosa e muito, muito cínica.

Leia também

Depois dos boatos de que a personagem iria morrer, o autor da novela, Walcyr Carrasco, foi até o twitter garantir que era tudo fake news. (Ainda bem)


Com a cara mais lavada do mundo e seu discurso moralista, ela descobre os podres de todo mundo na trama e vai usando as informações para sua ascensão meteórica como vilã máxima da trama, desbancando até a Jo(siane) (Agatha Moreira) do posto. Um dos grandes trunfos dessa personagem é o fato dela genuinamente acreditar estar sempre fazendo a coisa certa e usando a formação religiosa para justificar cada uma de suas maldades. Pode entrar, Fabiana, a noviça infernal.

Ela saiu do convento já determinada a ir atrás da irmã Vivi Guedes (Paolla Oliveira), que reconheceu na TV, no Encontro com Fátima Bernardes. Ao descobrir que a mana, além de famosa, era riquíssima, não teve formação religiosa capaz de aplacar um dos sete pecados capitais: a inveja. Fabiana ficou roxa de ganância pela vida de luxo da irmã, para quem não contou nada sobre o parentesco até a hora certa de usar a informação a seu favor. Movimentos friamente calculados.

Foto: Divulgação/TV Globo

Logo depois de deixar o convento, Fabiana, que de boba não tem nada, se encantou por Rock (Caio Castro). Mesmo criada em um convento e virgem, ela não perdeu tempo: se jogou com força no pecado da luxúria com o lutador forte e sarado. E tá errada? Ele ficou de quatro por ela, querendo casar e ter filhos. Ponto das meninas. Recentemente, ela perdeu o gato, mas jura de pés juntos que eles vão voltar.

Mesmo com o Rock na mão, Fabiana ficou de olho em Camilo (Lee Taylor), noivo de Vivi Guedes. Ela nem gostava do boy, mas o quis por puro despeito. Além disso, ajudou Camilo a descobrir as traições da irmã (“eu não gosto de mentira, eu fui criada em um convento”) e sentiu aquele prazerzinho em ver a mana famosa abandonada e humilhada no altar. A bicha é má. Mas Camilo sacou as intenções de Fabiana e deu uma pisada nela, que prometeu dar o troco. Estamos no aguardo, noviça.

Em um golpe de sorte, a santa do pau oco virou laranja do Agno, enriqueceu e se tornou sócia majoritária da construtora. Ele, coitado, achou que ela era bobinha e que ele poderia usá-la conforme achasse melhor, mas não perdia por esperar. Ela, que sempre quis ser rica, vibrou.

Fabiana podia ter ficado satisfeita com a vida de riqueza e ficado bem madame, mas é superinteligente, tem tino para os negócios, resolveu trabalhar e descobriu que as finanças da empresa estavam cheias de despesas particulares de Agno (Malvino Salvador) e Otávio (José de Abreu). (Aliás, ela tanto fez que conseguiu revelar o segredo de ambos: Otávio teve seu caso descoberto e se separou e Agno teve a homossexualidade revelada para a filha à força. Que mais uma vez disse que foi criada em um convento e não gostava de mentiras. Tá bom, aham.

Foto: Divulgação

Ela viu a Jô empurrando o mordomo Jardel (Duio Botta) em frente a um ônibus, tirou uma foto do momento, não foi à polícia e apenas guardou a imagem para sua maior chantagem: fazer a herdeira vender a fábrica por um terço do preço que a marca Bolos da Paz valia. O duelo foi de gente grande: as duas se ameaçaram, trocaram farpas, prometeram destruir uma à outra, mas Fabiana levou a melhor e agora é, oficialmente, a nova Dona do Pedaço.

Foto: Divulgação

Imagina ter a Fabiana como chefe?

Vale até rezar um pai nosso para ser livrado do fardo. Depois de virar dona da Fábrica, a abençoada começou a infernizar a vida dos funcionários. Diminuiu ao meio o tamanho das fatias de bolo, mudou as regras e fez a sua pior maldade: disse que Britney, sua funcionária trans, teria que se vestir como Harrison, seu nome de nascença.

A justificativa foi mais ou menos essa: “Fui criada em um convento, não sou acostumada a essas coisas. Não tenho preconceito, nenhum preconceito, mas prefiro que você venha vestido como homem”. Sentiu a crítica velada àqueles religiosos que estão sempre usando a fé para justificar a intolerância com o diferente e ainda garantindo que não é preconceito? Nós sentimos também.

Até proibir a Maria da Paz de vender os bolos dela na rua gritando “Bolos da Paz, bolos da Paz” Fabiana tentou. A maldade está sem freio, cruz credo. Seguimos agora esperando para ver o que a religiosa irá aprontar e rezamos para que Walcyr mantenha bem viva a vilã que amamos odiar.