'Faço parte agora de um grupo seleto, não é mesmo ?', diz Alceu Valença sobre prêmio

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - São mais de 50 anos de carreira, 300 composições e tantos prêmios, que Alceu Valença até perdeu a conta. Pois o pernambucano de São Bento do Una, município a duas horas de distância da capital Recife, acaba de acrescentar mais um à sua coleção: o Prêmio do Compositor Brasileiro de 2022, da União Brasileira de Compositores (UBC).

Alceu é o sexto artista a receber a homenagem. Gilberto Gil, Erasmo Carlos, Milton Nascimento, Herbert Vianna e Djavan já foram premiados, nesta ordem. "Faço parte agora de grupo seleto, não é mesmo?", comentou o cantor, emocionado, antes da cerimônia, na noite desta terça (8), no Rio.

Festejado pelos convidados, Alceu, 76, teve até dificuldade para chegar próximo ao palco, tantos eram os abraços e comemorações. Além de cantar "Anunciação", ele ainda assistiu a artistas como Duda Beat, Silva, Juliana Linhares, Marina Sena, a banda Bala Desejo, Saulo Fernandes, Ney Matogrosso, Almério e Martins interpretando alguns dos seus sucessos.

Os escalados para homenageá-lo estavam lisonjeados. "Alceu é uma referência para mim. Poder participar deste show é a glória", disse Duda. "Ele é o mestre e o poeta que sempre ouvi e ouço na vida", reforçou Silva.

Amigo de longa data de Alceu Valença, Ney Matogrosso alegou cansaço para não dar entrevista. Talvez por cansaço também ele tenha errado na hora do seu número ("Cheiro de Saudade") e precisou recomeçar. Ney também foi o primeiro a deixar o evento, apesar dos insistentes convites para que participasse de uma pequena confraternização pós-cerimônia.