Fãs enxergam Bolsonaro no cotovelo de Luísa e cantora quer "arrancá-lo"

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Luísa Sonza, 22, chamou atenção de alguns internautas de um jeito inusitado. Alguns deles comentaram que o cotovelo da cantora se parece com o rosto do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

As comparações tomaram conta das redes sociais, principalmente no Twitter, na noite desta terça-feira (21). “Não é possível que só eu estou vendo o rosto do Bolsonaro nessa foto”, escreveu um internauta. A brincadeira chegou aos ouvidos de Sonza, que por sua vez fez questão de comentar sobre o assunto.

Leia também

“Galera, arranquei meu cotovelo”, escreveu a cantora de ‘Braba’. Ainda depois a artista sugeriu que gostaria de cobrir o próprio cotovelo com uma tatuagem. “Alguém aí tem ideia de tatuagem no cotovelo?”, questionou.

Brincadeiras a parte, Luísa Sonza já mostrou que não simpatiza com Bolsonaro. Durante a sua primeira participação na Parada Gay de São Paulo em 2019, a cantora fez um apelo em seu discurso com “ele não", famoso slogan contra o presidente.

Além de ser engajada na causa LGBTQ+, Sonza é uma das artistas que faz questão de levantar a bandeira do movimento feminista, tanto em seus trabalhos como na vida. Em sua música ‘Eliane’, do álbum ‘Pandora’, a cantora fala sobre a força das mulheres e suas inspirações: sua mãe, Eliane Gerloff, sua avó e sua irmã.

Parece que o presidente "se instalou" no cotovelo da artista (Foto: Reprodução/Instagram @luisasonza)
Parece que o presidente "se instalou" no cotovelo da artista (Foto: Reprodução/Instagram @luisasonza)

“Minha mãe foi uma das grandes inspirações para composição desta música, mas gosto de ressaltar que ela também representa a luta e força de todas as mulheres. Superar desafios em uma sociedade ainda muito machista é extremamente relevante”, afirmou Sonza ano passado.