Fátima Bernardes se emociona em volta ao Encontro ao falar das mortes por Covid

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO***Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 29/06/2016 ; Retrato da jornalista e apresentadora Fátima Bernardes em set do programa Encontro com Fatima Bernardes, gravado no Projac.  (Foto: Ricardo Borges/Folhapress. )
***FOTO DE ARQUIVO***Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 29/06/2016 ; Retrato da jornalista e apresentadora Fátima Bernardes em set do programa Encontro com Fatima Bernardes, gravado no Projac. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress. )

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um mês após seu afastamento para tratar um câncer de útero, Fátima Bernardes, 57, se emocionou ao voltar nesta segunda (4) a comandar o programa Encontro, na Globo. A apresentadora chorou ao dizer que ficou muito angustiada com as notícias de aumento de mortes por causa da pandemia do novo coronavírus no país.

Fátima Bernardes lamentou a morte de uma funcionária, que trabalhava com ela há 30 anos, e foi vítima da Covid-19. "E olha que ela tinha plano de saúde, tinha tudo, não andava de transporte público...Não sabemos como ela se contaminou. Ela sempre chegava em casa muito cedo, e eu dizia que não precisava, mas ela fazia questão de fazer um café para mim [...] Hoje fez muita falta esse café", afirmou.

A apresentadora destacou que não queria falar sobre o assunto, porque sabia que iria se emocionar. "Quantas pessoas estão sofrendo sem necessidade [...] Muitas pessoas não vão ter a chance de recomeçar, não vão ter as chances que eu estou tendo. Eu penso que nem tenho direito a derramar lágrimas", completou. Ela afirmou também que sabe ser muito privilegiada por poder ser operada para retirada do câncer quatro dias após receber o diagnóstico.

"A gente falou tanto em empatia aqui, mas acho que não resolveu [...] Como comunicador, a gente não conseguiu levar essa mensagem", disse.

Apesar da emoção, a apresentadora afirmou que não tem "vocação para a tristeza", e que voltava ao trabalho com a energia renovada e uma expectativa boa. Ainda em recuperação da cirurgia, ela contou que não pode fazer atividades físicas, dirigir ou ir à praia e à piscina. Também afirmou que não houve indicação médica para que faça quimioeterapia ou radioterapia.