Exposição na França celebra os vitrais de Chagall

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Três criações de Marc Chagall em uma exposição dedicada ao artista no Centro Pompidou-Metz

Uma exposição no Centro Pompidou-Metz, no leste da França, celebrará até 30 de agosto Marc Chagall, "o pintor que amava os vitrais".

Com o nome de "Marc Chagall, passer de lumière" ("Marc Chagall, passando a luz", em tradução livre), essa exposição fala desse "mestre das cores que renovou a arte sacra" em meados do século XX, segundo Elia Biezunski, sua curadora.

A mostra comemora o 800º aniversário da catedral da cidade de Metz, que o artista iluminou com seus vitrais.

"Chagall dialogava com os mestres vidreiros que interpretavam seus modelos como os músicos interpretam as partituras. Depois ele vinha atrás e colocava sua marca", explica Biezunski.

A exposição reúne cerca de 250 obras, desenhos, pinturas, esculturas, gravuras, vitrais e colagens (maquetes), entre outros, que mostram que Chagall (1887-1985), nascido em Vitebsk (Belarus), que chegou em Paris em 1911, passou por todas as correntes (fauvismo, cubismo, suprematismo...) sem aderir a nenhuma.

"Às vezes ele era considerado um marginal", observa a curadora, porque se "alimentava tanto das cores do fauvismo como das cores das gravuras populares russas de sua infância, que justapõem cores muito contrastadas", as chamadas lubki.

rz/bdx/bma/pz/pc/me/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos