Exonerado ou não: entenda o que realmente aconteceu com Fabio Wajngarten

Ana Paula Ramos
·2 minuto de leitura
Fabio Wajngarten deixa a secretaria executiva do Ministério das Comunicações (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
Fabio Wajngarten deixa a secretaria executiva do Ministério das Comunicações (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

Fabio Wajngarten foi exonerado do cargo de secretário executivo do Ministério das Comunicações e voltou a chefiar a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). Na prática, ele já acumulava as duas funções desde a recriação do ministério.

A nomeação publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (5) mostra uma perda de prestígio de Wajngarten, já que ele era o número 2 do Ministério das Comunicações.

Leia também

Vitor Elísio Oliveira, que era secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência e Tecnologia, foi nomeado para o seu lugar.

No Twitter, Fabio Wajngarten minimizou a exoneração do cargo de secretário executivo. Disse que continua ao lado do presidente Jair Bolsonaro "na busca de um ecossistema de mídia mais justo e equilibrado, sem monopólios nem concentrações".

Nos bastidores, aliados do governo Bolsonaro apontam três motivos para a mudança.

Em primeiro lugar, o chefe da Secom é investigado pela Polícia Federal por corrupção, peculato (desvio de recursos públicos) e advocacia administrativa, ou seja, “patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário”.

Ele nega as acusações. Mas a saída dele da secretaria executiva pode ter como objetivo tirar um pouco do foco o nome de Wajngarten.

Outra hipótese levantada é em relação à implementação da tecnologia de quinta geração de telecomunicações (5G), uma das prioridades do governo Bolsonaro. Vitor Elísio Oliveira seria um nome mais capacitado para comandar um processo dessa magnitude.

Há interlocutores do Palácio do Planalto, no entanto, que acreditam que a nomeação pode ser resultado da briga entre a ala militar do governo e a ala ideológica, da qual Wajngarten faz parte.

No fim de semana, o chefe da Secom escreveu em sua conta no Twitter que "ao vazador e intriguento do Palácio que alimenta um pseudo jornalista informo que amanhã celebrarei meus 45 anos ao lado do meu amigo e ministro Fábio Faria, dentre outros convidados... chorem as lágrimas".

A mensagem foi um novo ataque ao ministro Luiz Eduardo Ramos, após o colunista Leo Dias, do site Metrópoles, revelar a festa.