Exército cerca prisão federal após suposto plano de fuga de Marcola

Paulo Liebert/AP

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Penitenciária Federal de Brasília foi cercada pelo Exército depois de setores da inteligência do governo ter sido informados de um suposto plano para resgatar Marcola.

  • Plano para resgatar líder do PCC teria sido elaborado por Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como Fuminho ou Magrelo, apontado como uma das principais lideranças da facção.

A Penitenciária Federal de Brasília foi cercada nessa quinta (19) pelo Exército depois de setores da inteligência do governo ter sido informados de um suposto plano para resgatar do líder da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola.

A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, segundo o qual fontes ligadas ao Ministério da Justiça e Segurança Pública e ao governo do Distrito Federal confirmaram que a operação começou na última quinta para conter o risco de fuga.

Leia também

Segundo o jornal, o plano para resgatar Marcola teria sido elaborado por Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como Fuminho ou Magrelo, apontado como uma das principais lideranças do PCC. A informação foi confirmada pelo Estadão após ser divulgada pelo site de notícias Metrópoles. Considerado um dos maiores traficantes do Brasil, Fuminho ainda é apontado como "sócio" de Marcola nas operações no país. Informações de setores da inteligência do Exército estimam que ele esteja na Bolívia, de onde controla a operação de envio da droga para a Europa.

Uma megaoperação foi feita nos presídios de São Paulo, em fevereiro, a fim de isolar 22 lideranças do PCC. Marcola, por exemplo, estava na Penitenciária II de Presidente Venceslau, no interior paulista, e foi transferido primeiro para Porto Velho. Em março, menos de um mês após sair da unidade paulista, foi levado para a Penitenciária Federal de Brasília. No mesmo dia, outros três integrantes do PCC foram para a unidade: Cláudio Barbará da Silva, Patrik Wellinton Salomão, e Pedro Luiz da Silva Moraes, o Chacal.

Nem o Ministério da Justiça, tampouco o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), oficialmente, confirmam o plano de fuga. A assessoria da pasta afirmou, em nota, que está apenas sendo realizado no local é “uma obra já prevista anteriormente para reforçar a segurança da Penitenciária Federal em Brasília”.

“A pedido do Ministério da Justiça e Segurança Pública e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), com o aval do Ministério da Defesa, a Engenharia do Exército Brasileiro está realizando obras de fortificação das estruturas da Penitenciária Federal em Brasília. Tropas do Comando Militar do Planalto estão na Penitenciária Federal em Brasília realizando trabalhos técnicos de Engenharia apoiados por tropas de segurança”.

Também a Força Nacional de Segurança Pública, além do Exército, está atuando no local em ações de policiamento de guarda e vigilância no perímetro da região.

Dois helicópteros, 40 homens de forças especiais da polícia e tropas de forças táticas de dois batalhões foram enviados para Presidente Venceslau, oeste de São Paulo, após a inteligência da polícia descobrir um plano de resgate da cúpula do PCC. Até o aeroporto da cidade foi fechado para impedir a ação dos bandidos.

A inteligência da polícia havia detectado um plano para resgatar com aviões integrantes do PCC que estavam no presídio estadual. A suspeita era a de que, entre eles, estaria Marcola. Segundo estimativa da inteligência da Polícia Civil, a facção fatura mais de R$ 400 milhões por ano, principalmente, com o tráfico de drogas no Brasil e com o envio de cocaína para a África e a Europa.