Excitação sexual na amamentação: a sucção do leite pode levar ao orgasmo

O tabu com a amamentação

O ato de amamentar é socialmente considerado algo instintivo, sagrado, puro e inocente. Na prática, pode ser bem mais complexo e paradoxal do que isso... Basta lembrar que a parte do corpo feminino responsável por nutrir o bebê é também uma zona erógena e fonte de prazer sexual. Para algumas mães, estímulos físicos como a sucção do leite desencadeia uma excitação que pode até levar ao orgasmo.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Enfermeira obstetra, a doutoranda gaúcha Elaine Lutz pesquisa esse tabu há sete anos. Para a tese de mestrado pela UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), defendida em 2015, ela entrevistou 17 mulheres sobre as sensações e os significados da amamentação. Destas, cinco admitiram reações espontâneas de excitação sexual. Uma delas, por exemplo, descreve sua “aflição” enquanto o filho mamava: “[...] Aí eu fechei os olhos, comecei a chorar e pensar: ‘o que será que está acontecendo?’ [...] Parece que não podia ser gostoso”.

Leia também

- Por que as mulheres podem sentir algum tipo de excitação sexual enquanto amamentam?

ELAINE - A ocitocina, o hormônio responsável pela saída do leite, é também responsável pelo orgasmo feminino no ato sexual e pelas contrações uterinas no trabalho de parto. Ela está agindo durante a amamentação também. Ou seja, fisiologicamente, existe essa possibilidade. Anatomicamente também é possível porque a região das mamas tem muitas terminações nervosas, é sensível e uma região erógena.

- Então não necessariamente a mulher estava tendo fantasias eróticas naquele momento?

ELAINE - Não. Pelo que elas relatam, não estão pensando em nada e o corpo acaba “verbalizando” essa sensação. É uma reação física à um estímulo na mama – por acaso, o bebê sugando. Elas se questionam: “Nossa, será que eu estava pensando besteira com o meu filho?”. Por falta de conhecimento e pelo tabu em relação à sexualidade do próprio corpo, algumas pessoas acham que é “anormal” e associam isso à incesto ou pedofilia.

- De que forma esse prazer sexual se manifesta durante a amamentação?

ELAINE – As mulheres que entrevistei descrevem reações físicas como arrepios, sentir a calcinha molhar, o mamilo entumecer, contrações uterinas, relaxamento profundo. Elas têm dificuldade de dizer “orgasmo” – não usam essa palavra. Fica no âmbito da excitação sexual mesmo. Uma delas contou que, quando estava grávida, a mãe alertou: “Pode ser que, quando você estiver amamentando, sinta uns choquezinhos na vagina”. E ela de fato sentiu isso.

- Elas sentem assim todas as vezes?

ELAINE - Não, pelo relato delas é eventual. Uma sentiu mais prazer nas primeiras mamadas, outra depois que passou o terceiro mês e as dificuldades de pega e fissura nos mamilos... Na maioria das vezes, não conseguem compartilhar o que sentiram com ninguém – nem com o parceiro.

- Como essas mulheres lidaram com a própria excitação?

ELAINE - A maioria afirmou que não gostou dessa sensação porque, na percepção delas, é algo errado, estranho, pecaminoso, se sentiram como monstrinhos. Uma delas conta que chorou quando se sentiu excitada durante a amamentação. Elas optaram por bloquear esse prazer, criando estratégias como conversar com o bebê e focar o pensamento em outra coisa. Até mudar o contexto e a posição da amamentação – por exemplo, não ficando deitada ou de pernas cruzadas. Nenhuma das cinco mulheres entrevistadas no meu mestrado que admitiram excitação sexual ao amamentar abandonaram o aleitamento, mas as pesquisas acadêmicas indicam que ela pode levar ao desmame precoce.

- Porque a figura da mãe é vista como “sagrada”, né?

ELAINE – Sim. Principalmente depois do parto, é como se o seio feminino não pertencesse mais à mulher, e sim ao bebê. A sexualidade dela fica dividida: a parte de cima do corpo (mamas) se torna “assexuada” e a parte inferior (vulva, vagina) continua “sexualizada”. Alguns parceiros não se sentem à vontade de tocar e estimular as mamas, assim como algumas mulheres também ficam desconfortáveis... não só porque passam a enxergar como uma área sagrada que alimenta o filho, mas porque pode vazar leite do seio quando elas ficam excitadas no sexo. Aliás, é comum que elas passem a ter relações sempre de sutiã ou com um paninho à mão.

Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria.