Ex-vendedor de amendoim, rapper Xamã grava com Gretchen e mira 'dinossauros' da MPB

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O rapper carioca Xamã, 32, não esconde: sempre acreditou no seu talento. Sem falsa modéstia, sabia que era bom nas rimas, mas não imaginava que chegaria tão longe com a música. Longe mesmo. Desde janeiro, seu hit "Malvadão 3" está no Top 50 do Spotify --a música ficou semanas no topo-- e o cantor foi o único brasileiro indicado ao Bet Hip Hop Awars 2021, na categoria de Melhor Flow Internacional.

"Eu sabia que uma hora a galera do meu bairro iria ficar sabendo (das rimas), que aquilo ali iria repercutir e eu iria ganhar uma grana. Mas não sabia o próximo passo", admite o rapper, que começou a mostrar seu talento ainda criança no bairro de Sepetiba, zona oeste do Rio de Janeiro, e chegou a vender amendoim no trem para pagar as contas e participar das batalhas de rap.

Xamã diz que quando começou no mercado, em 2015, não sabia direito o que era o Spotify --o streaming desembarcou oficialmente no Brasil em 2014--, mas ele foi aprendendo com o tempo. "Comecei no momento em que o digital ganhou uma posição sinistrona e as gravadoras começaram a se preocupar realmente com plataformas digitais. Sou dessa época, dessa transição, e comecei a entender isso."

Nesta quarta (11), ele espera repetir o mesmo sucesso do hit "Malvadão 3" com o lançamento da música nas plataformas digitais e do videoclipe de "Dublê de Marido" no YouTube. Desta vez, ele tem como parceira a cantora Gretchen.

Xamã diz que no clipe tentou deixar de lado a Gretchen rainha dos memes da internet para exaltar a sensualidade e a personalidade da cantora --para ele, a personificação da mulher 'malvadona' desde que ele era criança, na década de 80.

Ao longo da carreira, o artista fez parcerias com nomes como Gloria Groove, Marília Mendonça , Ludmilla e Luísa Sonza --e quer mais. Diz-se aberto a todos os ritmos e estilos musicais, sem preconceitos. "Música é isso, não existe essa coisa de não entrar aqui, todo mundo pode entrar e sair para fazer música em outros lugares", diz.

Ela agora sonha em trabalhar com rappers internacionais como o francês Black M e o americano Kendrick Lamar. Sua lista de desejos profissionais inclui também parcerias com Gilberto Gil e Djavan. "Tem muita coisa no Brasil da hora, queria gravar com a galera e conhecer os dinossauros", brinca.

Não se sabe ao certo se Ivan Lins é um dos "dinossauros" a que Xamã se refere, mas os dois já têm um encontro marcado. Eles se apresentam juntos no palco Sunset do Rock in Rio, em setembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos