Ex-segurança de Britney Spears alega que cantora recebia mistura de medicamentos

·2 minuto de leitura
Britney Spears credit:Bang Showbiz
Britney Spears credit:Bang Showbiz

O ex-segurança de Britney Spears relatou momentos de vulnerabilidade vívidos pela estrela.

Fernando Flores - que foi contratado para trabalhar para a cantora em 2010, e deixou o emprego oito meses depois - contou que o telefone da popstar de 39 anos era constantemente monitorado e que ela era proibida de sair por conta própria.

Fernando alegou, ainda, que uma mulher ia até a propriedade de Britney todas as sextas-feiras para entregar medicamentos que deixavam a musa “em um universo paralelo”.

“Eu tinha que explicar para Britney o que era tudo, três medicamentos para doenças mentais e pílulas anticoncepcionais. Ela tinha momentos sãos, mas também começava a falar sobre universos paralelos”, disse ele ao jornal ‘The Sun’.

Fernando também contou como Britney sempre chorava depois de receber ligações de seu pai, Jamie Spears, que é o atual tutor financeiro da cantora.

“Jamie ligava três ou quatro vezes por dia para verificar o que estava acontecendo. Se ela queria algo, tinha que pedir sua permissão. Ela passava os dias assistindo TV ou malhando, e chorava ouvindo uma música de James Brown, 'It’s A Man’s World'”, acrescentou.

Na semana passada, Britney caiu em prantos durante uma audiência no tribunal e pediu à juíza responsável pelo processo que avalia sua tutela que indiciasse seu pai por abuso psicológico.

"Estou aqui para acusar meu pai de abuso da tutela. Isso só permitiu que ele arruinasse minha vida”, declarou a estrela.

Após a audiência, Britney conquistou a permissão de contratar o ex-promotor federal Mathew Rosengart como seu advogado.

Como primeiro ato de Mathew no caso, ele entrará com uma petição subsequente para Jamie ser destituído do cargo de tutor de Britney.

No mês passado, a Princesinha do Pop afirmou que toda a situação a deixou "traumatizada" e "deprimida", e pediu que seu pai fosse preso.

"Eles me fazem ir à terapia três vezes por semana e a um psiquiatra. Eu realmente acredito que essa tutela é abusiva. Eu não sinto que posso viver uma vida plena. Quero que o terapeuta venha à minha casa, não estou disposta a ir para Westlake. Eles me enviam para lugares expostos. Preciso de ajuda. Meu pai e qualquer pessoa envolvida nesta tutela deveriam estar na prisão”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos