Ex-presidente da Biblioteca Nacional critica linguagem neutra em mensagem de despedida

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Presidente da Biblioteca Nacional no governo de Jair Bolsonaro (PL), Luiz Ramiro Jr. criticou o uso da linguagem neutra na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em mensagem de despedida publicada em uma rede social nesta quarta-feira (4).

Ele foi exonerado do cargo no primeiro dia do governo petista. "Fiquei triste com o ocorrido, mas era esperado, dada a mudança de governo. Inclusive, moralmente, não poderia ficar por muito tempo, por mais que a instituição seja de Estado e os governos, transitórios", escreveu.

Segundo ele, há diferenças de "índole e direção" entre o que ele acredita e o que é defendido pela esquerda. A linguagem neutra de gênero seria um exemplo.

"Quando este governo de esquerda adota a linguagem neutra, por exemplo, dilacera o mais belo edifício nacional, que é a própria língua; corrói o imaterial e o material, e até o mais maravilhoso prédio da Biblioteca Nacional pode ser pilhado, pois a degradação do que é mais fausto na cultura já foi feito", afirmou.

Rejeitada pela direita, a linguagem neutra é abraçada pela esquerda como sinal de inclusão das minorias. Em diversas posses de ministros de Lula nos últimos dias, houve saudação a "todos, todas e todes".

Conservador, Ramiro estava no cargo desde março de 2022. Seu mandato foi marcado por polêmicas, como a entrega de uma medalha ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ).