Ex-marido e filho de Ane Heche brigam por controle dos bens da atriz

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O filho mais velho da atriz Anne Heche, Homer Laffoon, 20, e o ex-marido, o ator James Tupper, 57, brigam na Justiça pelo controle dos bens da atriz. Ela morreu aos 53 anos em 12 de agosto, dias depois de ficar em coma devido a um grave acidente de carro.

Documentos obtidos pela People mostram que o filho mais velho da atriz, com Coley Laffon, entrou com uma petição, no final de agosto, alegando que Heche não tinha testamento antes de sua morte e pedindo para ser legalmente o executor dos bens.

Na quinta-feira (15), o ex-marido e pai do filho adolescente da atriz entrou com um pedido na Justiça alegando que ela tinha um testamento e o nomeou executor de seus bens há mais de uma década. Procurados pela revista, os advogados de Tupper não responderam.

Tupper -que foi parceiro de Heche de 2007 a 2018- afirma que a atriz enviou a ele e a outras duas pessoas a cópia de seu testamento de 25 de janeiro de 2011. "Meus desejos são que todos os meus bens vão para o controle do Sr. James Tupper para serem usados para criar meus filhos e depois entregues às crianças", diz o documento.

O ex-marido da atriz alega ainda que Homer "não é adequado" para administrar os bens de sua mãe porque ele é muito jovem e está desempregado. De acordo com o processo, Heche e Homer estavam afastados no momento de sua morte "devido a ele abandonar os estudos universitários e não trabalhar para se sustentar".

Tupper também acusa Homer de trocar as fechaduras do apartamento da atriz no dia de sua morte, impedindo seu filho Atlas, 13, de visitar e recuperar seus pertences. "[Homer] recusou a entrada de Atlas desde então e não respondeu ao pedido dele por suas roupas e computador na casa [de Heche]", segundo relatou o ator no pedido enviado a Justiça

O ex-marido de Heche expressou ainda preocupação com a afirmação de Homer de que a casa da atriz está vaga. Segundo ele, a casa de Heche estava cheia de móveis, joias, objetos de valor, arquivos e registros, e sua remoção não foi autorizada de forma alguma.

Para piorar a situação, Atlas e Laffoon não se falam desde o dia em que Heche morreu, o que Tupper cita como evidência de que "Homer não agirá no melhor interesse de seu irmão".