Ex-funcionária da Fox News acusa ex-âncora de estupro em processo

Por Helen Coster
·1 minuto de leitura

Por Helen Coster

(Reuters) - Jennifer Eckhart, uma ex-funcionária da Fox News, apresentou uma ação contra a rede e o ex-âncora Ed Henry a um tribunal federal de Nova York na segunda-feira, acusando-o de tê-la estuprado.

A denúncia diz que Henry "preparou, manipulou psicologicamente e coagiu (a vítima) a ter um relacionamento sexual com ele, e que, quando ela não obedeceu voluntariamente, ele a agrediu sexualmente nas instalações da empresa, e a estuprou em um hotel".

Em um comunicado emitido em nome de Henry, sua advogada, Catherine Foti, disse que provas mostrarão que Eckhart "iniciou e incentivou completamente um relacionamento consensual".

Em outro comunicado, uma porta-voz da Fox News disse que Eckhart e Cathy Areu, uma convidada da rede, podem tratar de suas acusações contra Henry diretamente com ele, porque o canal "já adotou ações rápidas assim que soube das queixas da senhorita Eckhart em 25 de junho, e o senhor Henry não está mais empregado na rede".

O canal a cabo de propriedade da Fox Corp, de Rupert Murdoch, afirmou no dia 1º de julho que demitiu Henry depois de receber uma queixa do advogado de uma ex-funcionária e que contratou um escritório de advocacia para fazer investigações.

A denúncia registrada na segunda-feira alega que a rede sabia que Henry estava envolvido em má conduta sexual desde o início de 2017.

A porta-voz da Fox News disse em um comunicado posterior na segunda-feira: "Não houve queixas de assédio sexual contra Ed Henry na Fox News antes da denúncia de Jennifer Eckhart em 25 de junho de 2020."

Areu alega que Henry lhe enviou "uma quantidade de imagens e vídeos sexuais profundamente inadequados" e insinuou que ajudaria sua carreira se ela fizesse sexo com ele.