Ex-fazenda e bailarina do Faustão, Erika Schneider lamenta machismo na TV

·2 min de leitura
Influenciadora faz balanço do reality (Foto: Reprodução/Instagram/@erikaschneider)
Influenciadora faz balanço do reality (Foto: Reprodução/Instagram/@erikaschneider)

A participação de Érika Schneider em "A Fazenda 13" ficou marcada por sua luta contra o machismo. Vítima de muitos comentários misóginos, a bailarina chegou a duvidar da própria sanidade durante o confinamento. Para ela, que acabou eliminada na segunda semana, o que aconteceu no programa é só uma amostra do que uma mulher encara diariamente.

Conhecida por ter sido bailarina do Faustão, Érika revela que já ouviu propostas e comentários ainda piores nos bastidores. "Trabalhei durante 7 anos como bailarina do 'Domingão', depois como repórter. Infelizmente, rola muito preconceito com mulheres que trabalham na TV, com as bailarinas principalmente. É uma pena", diz ela, que garante não ter sido assediada diretamente, mas se incomodado com diversos comentários.

As redes sociais também são um "prato cheio" para machistas e assediadores. A ex-fazenda conta que precisou de uma equipe para ajudá-la a conviver com isso. "Nunca dei liberdade, mas chega muito e-mail, direct de mau gosto, perguntas, convites. Agora tenho uma assessoria e esse pessoal filtra tudo. Às vezes, chega uma coisa ou outra, mas acaba nem chegando até mim, eles já apagam tudo", conta.

Reconhecimento profissional

Mesmo com as histórias negativas, Érika garante que ter trabalhado com Faustão abriu portas e serviu de muito aprendizado. "O Fausto é uma pessoa que acredita muito em quem está começando. Ele me deu a oportunidade de ser repórter, ele acredita muito no potencial das pessoas. Sou grata, nunca tive problema com ele", afirma a loira.

Ela foi demitida por chamada de vídeo (Foto: Reprodução/Instagram/@erikaschneider)
Ela foi demitida por chamada de vídeo (Foto: Reprodução/Instagram/@erikaschneider)

Entrar em "A Fazenda", apesar da eliminação precoce, também foi um "tiro certo", de acordo com a bailarina. Érika conta que muitas mulheres se identificaram com sua narrativa. "Fiquei até surpresa. Quando saí nem imaginei que as pessoas me abraçariam tanto, que teriam gostado tanto da minha participação. Custei a acreditar. Quando saio nas ruas as pessoas falam comigo, recebo carinho. Isso não tem preço", celebra.

Fazendo planos

Questionada sobre o suposto affair com o jogador colombiano James Rodriguez, Érika despista com risos, mas volta a falar com a reportagem sobre planos para 2022. Apesar da incerteza sobre o Carnaval, ela revela que recebeu convite de uma escola de samba e está animada com a possibilidade de desfilar.

"Fiquei muito feliz com a proposta porque eu nunca desfilei em escola de samba mesmo sendo bailarina por tantos anos. Acho que é uma emoção muito grande. Deve ser uma adrenalina, um negócio muito louco. Talvez não aconteça o Carnaval, mas estarei pronta para o próximo. Não quero fazer feio, quero fazer bonito", diz ela, aos risos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos