EUA vão reforçar as sanções por má conduta de passageiros em aviões

·1 minuto de leitura
EUA vão aumentar as sanções contra passageiros que não se comportam durante os voos, de acordo com um anúncio das autoridades em 14 de janeiro de 2021

Autoridades de segurança aérea dos Estados Unidos anunciaram penalidades mais duras por má conduta a bordo, em meio a um aumento de incidentes em voos.

Segundo a nova política, que entra em vigor em 30 de março, a Federal Aviation Administration (FAA) vai entrar com ações judiciais contra os passageiros que não se comportarem, anunciou a agência na noite de quarta-feira.

A política atual consiste em uma série de advertências civis e penalidades.

“Os passageiros que interferirem, agredirem fisicamente ou ameaçarem agredir a tripulação ou qualquer outra pessoa em uma aeronave enfrentarão penalidades severas, incluindo multas de até 35 mil dólares e prisão”, explicou a FAA.

"Este comportamento perigoso pode distrair, afetar e ameaçar as tarefas de segurança da tripulação."

O anúncio foi feito na sequência do ataque ao Capitólio por partidários do presidente Donald Tump em 6 de janeiro. O grande número de vídeos que viralizaram na semana passada, nos quais os passageiros resistem aos esforços da tripulação para retirá-los dos voos, também motivou a mudança.

O CEO da Delta Airlines, Ed Bastian, disse à CNBC nesta quinta-feira (14) que a empresa não permitirá que clientes com armas de fogo em voos com destino à região metropolitana de Washington.

"Estamos todos em alerta com base nos acontecimentos das últimas semanas em Washington", disse ele.

A Alaska Airlines informou que no fim de semana impediu que 14 pessoas embarcassem em voos entre o aeroporto Washington Dulles e Seattle (oeste).

Os passageiros "não usavam máscaras, eram barulhentos, agressivos e assediavam nossa tripulação", disse um porta-voz.

Desde agosto de 2020, a empresa sancionou 302 passageiros por violarem a obrigatoriedade do uso de máscara.

jmb/hs/tly7gm/jc/mvv