Estudo indica que a genética tem uma influência significativa no peso

It may be easy to judge and criticise an individual for their weight but “the science shows that things are far more complex'

Um estudo sugere que pessoas magras são o resultado de uma vantagem genética, e nem sempre são mais disciplinadas no que diz respeito ao controle da alimentação.

A nova pesquisa da Universidade de Cambridge indica que a genética joga a favor das pessoas magras e contra aquelas consideradas obesas.

“Esta pesquisa mostrou, pela primeira vez, que pessoas magras e saudáveis costumam ter esta característica por possuírem uma carga menor de genes que aumentam a chance de sobrepeso, e não por serem moralmente superiores, como algumas pessoas gostam de sugerir,” disse o professor Sadaf Farooqi, do Instituto de Ciência Metabólica de Cambridge, que liderou o estudo.

Embora seja fácil julgar e criticar alguém por causa do seu peso, “a ciência mostra que o tema é muito mais complexo do que imaginamos,” acrescentou o professor. “Nós temos muito menos controle em relação ao nosso peso do que imaginamos”.

Na pesquisa, que recebeu o nome de Study Into Lean and Thin Subjects (STILTS), o DNA de 1.622 voluntários magros foi comparado com o DNA de 1.985 pessoas com obesidade mórbida e 10.433 indivíduos com um peso considerado normal.

Os pesquisadores admitem que fatores externos, como o acesso fácil a alimentos altamente calóricos e a manutenção de um estilo de vida sedentário, podem impactar o peso de uma pessoa, mas há uma variação individual considerável dentro de um grupo que compartilha o mesmo ambiente.

“Nós já sabemos que as pessoas podem ser magras por diferentes razões,” disse Farooqi depois da publicação do estudo na revista PLOS Genetics“Algumas pessoas não têm um interesse tão grande em comida, enquanto outras podem comer o que quiserem sem ganhar peso. Se conseguirmos encontrar os genes que as impedem de engordar, podemos usar estes genes para definir novas estratégias de perda de peso e ajudar os indivíduos que não têm esta vantagem genética”.

Três de cada quatro participantes (74%) do STILTS tinham um histórico familiar de boa forma física, e a equipe encontrou algumas alterações genéticas que eram bem mais comuns nas pessoas magras.

Os autores do estudo afirmam que os resultados podem ajudá-los a identificar novos genes e mecanismos biológicos que contribuem para que as pessoas se mantenham em forma.

Entre 59% e 65% dos adultos estão acima do peso no Reino Unido, enquanto um em cada quatro adultos e uma em cada cinco crianças de 10-11 anos são obesos, de acordo com o NHS.

A Dra. Ines Barroso, do Wellcome Sanger Institute, que colaborou no estudo, acrescentou: “Como esperávamos, descobrimos que pessoas obesas têm um fator de risco genético maior do que indivíduos que mantêm um peso normal, o que contribui para a sua chance de sobrepeso. Os dados da genética estão viciados contra eles”.

Katie O’Malley

The Independent