'Estamos incomodando', diz Rashid sobre processos contra artistas anti-Bolsonaro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O rapper Rashid, 34, disse que os processos movidos contra os artistas por manifestações políticas em shows são "terríveis" e demonstram o quanto eles e suas músicas estão incomodando seus alvos de protesto. A afirmação foi feita na passagem pelo tapete vermelho do MTV Miaw 2022, em São Paulo.

No Lollapalooza 2022, o partido do presidente Jair Bolsonaro (PL) entrou com ação na Justiça para proibir manifestações políticas, gerando uma onda de "Fora Bolsonaro". Recentemente, Manu Gavassi foi processada pelo MBL por exibir o símbolo do PT em um show.

"A gente está em um momento delicado do país, está lutando, querendo mudar as coisas, e agora mais especificamente é hora de sair das palavras e ir para ação, de mudar o país de verdade", disse Rashid, que em 2018 assinou um manifesto, com outros representantes do hip hop, contra a candidatura de Bolsonaro, por considerar na época ele uma ameaça à democracia.

Rashid lembrou que essa perseguição aos artistas remete a sofrida por grandes ídolos da música popular brasileira durante a ditadura militar no Brasil, como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque. "Sem comparação nenhuma, obviamente, porque eles estão em outro patamar."

"É o momento de reagir, de se manifestar à sua maneira. Pode vir processo, pode vir qualquer tipo de coisa, mas não tem como impedir a verdade e a história de ser feita. Vou continuar me posicionando", enfatizou Rashid. Na música, o artista se prepara para lançar novo álbum, ainda sem data. "Vou dar um único spoiler. O novo álbum tem feat com a minha querida irmã, a grandiosa Liniker. Aguardem".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos