Montado com contêineres, estádio da Copa de 2022 será desmontado após o torneio

Como ficará o estádio Ras Abu Aboud. Foto: 2022 Supreme Committee for Delivery and Legacy via Getty Images

De Doha

A palavra “legado” foi usada como uma das explicações para o Brasil sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Não se tornou realidade, mas em tudo que a organização do Mundial do Qatar-2022 faz, essa expressão aparece. A começão pelo órgão que coordena todas as obras, orçadas no total em US$ 7 bilhões: o Supremo Comitê para Execução e Legado.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM
SIGA O YAHOO ESPORTES NO FLIPBOARD

Todos os oito estádios são construídos pensando no legado que será deixado a outros projetos de infraestrutura e para a população de Doha. Nenhum chama tanto a atenção quanto o Ras Abu Aboud Stadium. Ele vai sediar cinco jogos da competição, um deles pelas quartas de final. Em seguida, será 100% desmontado.

Leia também:

“Aquela região não precisa de um estádio depois da Copa”, foi a resposta do Supremo Comitê quando questionado sobre o motivo para o desmonte.

Se fosse mantido, seria o complexo esportivo com a mais bela vista no país, já que ao fundo estão a baía do golfo e a West Bay, com seus prédios luxuosos e hotéis cinco estrelas. 

Seguranças protegem a construção e impedem que olhares curiosos se aproximem. Mas isso não é apenas no Ras Abu Aboud, mas em todos os estádios que ainda são preparados para o próximo mundial. 

O movimento é constante e o que diferencia o trabalho nesta arena das demais é a presença de contêineires. E estes, mesmo que modificados e transformados, continuarão fazendo parte do cenário da região porque o  Ras Abu Aboud será montado (a palavra é mais condizente com a realidade do que “construído”) apenas com estruturas modulares. 

Basicamente, são contêineres sobre contêineres sobre contêineres.

“Esta foi uma das soluções mais criativas que encontramos para resolver um problema do planejamento do Mundial: nós queríamos um estádio naquela região, mas sabíamos que ele não teria utilidade depois do torneio. Então resolvemos desmontá-lo”, afirma Hassan Al Thawadi, secretário geral do Comitê para Execução e Legado, para o Yahoo Esportes. 

À exceção do Khalifa International, onde aconteceu a final do Mundial de Clubes entre Flamengo e Liverpool, todos os estádios da próxima Copa do Mundo serão modificados ao final do torneio. O Khalifa, batizado com esse nome em homenagem ao pai do atual emir do Qatar, será o estádio nacional. Outros seis terão a capacidade reduzida, mesmo o que construído para a final, no distrito de Lusail (ainda não se sabe qual será seu destino).

Apenas o Ras Abu Aboud será desmontado.

Com capacidade para 40 mil pessoas, suas partes serão usadas, acabado o Mundial, em outros projetos esportivos ou não espalhados pelo Qatar. Planos não faltam porque Doha é um canteiro de obras. Com o nome de “Visão 2030”, o país pretende mudar o foco de sua economia e não depender apenas do petróleo e gás natural. Deseja diversificar para o turismo e faz propaganda da sua estratégia para o desenvolvimento sustentável. O Ras Abu Aboud se encaixa nesse plano a longo prazo. 

Outras arenas, como o Education City, onde seria disputado o Mundial de Clubes mas não ficou pronto a tempo, terão a capacidade reduzida para a metade ou menos disso, já que nem há partidas de futebol suficientes no Qatar para tantos estádios. Segundo o comitê, os espaços serão usados também em projetos educacionais e pela comunidade.

Partes de todas as arenas, inclusive da Ras Abu Aboud, serão enviadas para o exterior, para projetos de desenvolvimento de nações amigas. O Qatar vive bloqueio internacional liderado por vizinhos árabes como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes.

“Não posso dizer os países, mas já recebemos contatos de três governos interessados em receberem a ajuda. Vamos analisar no futuro”, completa  Hassan Al Thawadi.

Por enquanto, a ideia é que assim que a bola parar de rolar em 2022, o local vire um centro de convivência com áreas verdes para aproveitar a bela vista para a baía. Mas a pressa até agora é para transformar as montanhas de contêineres em um estádio para a Copa do Mundo. 

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter