Estátua de feminista pioneira em Londres é coberta com fitas e máscaras

Por Paul Childs
·1 minuto de leitura

Por Paul Childs

LONDRES (Reuters) - Uma estátua feminina nua recém-inaugurada em Londres para homenagear a pioneira feminista Mary Wollstonecraft foi alvo de críticos desconhecidos que colocaram fita preta em seus seios e púbis, cobriram-na com máscaras contra Covid e a vestiram com uma camiseta.

A escultura da artista britânica Maggi Hambling, inaugurada na terça-feira, revoltou feministas e outros críticos, que disseram que a figura nua chama atenção para o corpo feminino, ao invés de homenagear as conquistas e a influência da intelectual do Século 18.

Um tema central da reação negativa foi que homens celebrados com monumentos costumam ser retratados vestidos. Hambling respondeu dizendo que quis se distanciar da tradição da "estatuaria masculina heroica" para criar algo atemporal, e não histórico.

Tendo recebido ampla cobertura midiática todo o dia, a estátua foi visitada de noite por pessoas desconhecidas que cobriram suas partes íntimas e colocaram duas máscaras do tipo usado para conter a disseminação da Covid-19 em seus ombros, como um manto.

Uma imagem da estátua com as fitas e máscaras circulou nas redes sociais na noite de terça-feira. Na manhã desta quarta-feira os itens haviam sido retirados, mas um fotógrafo da Reuters viu duas mulheres cobrindo a figura com uma camiseta e colocando um cartaz perto da base.

O cartaz continha uma citação do trabalho revolucionário de Wollstonecraft de 1792, "Uma Justificação dos Direitos da Mulher", dizendo: "Fortaleçam a mente feminina ampliando-a, e haverá um fim à obediência cega".

Pouco mais tarde, uma terceira mulher retirou a camiseta com uma vara.