Espanha quer se tornar o trampolim audiovisual da Europa

·1 minuto de leitura
Nesta foto de arquivo, uma tela de computador exibe o logotipo da Netflix em 31 de março de 2020 em Arlington, Virgínia

O governo espanhol quer aumentar em 30% a produção audiovisual até 2025, para fazer do país um trampolim para o setor na Europa, e pretende financiá-lo com recursos do gigantesco plano europeu de recuperação pós-pandemia.

O objetivo é "fazer da Espanha o 'hub' audiovisual da Europa", declarou nesta quarta-feira (24) a ministra da Economia, Nadia Calviño, na apresentação oficial do plano.

Trata-se também de “promover a produção audiovisual nacional, para atrair um maior investimento neste setor”, tanto no cinema como nas séries, curtas-metragens, documentários, publicidade, videojogos e filmes de animação, enumerou.

O plano será financiado com 1,6 bilhão de euros, dos quais € 1,33 bilhão sob a forma de créditos garantidos pelo Estado e incentivos fiscais para as empresas produtoras.

Os referidos fundos, explicou o primeiro-ministro Pedro Sánchez, virão "principalmente" do plano de reativação europeu aprovado em julho, e do qual a Espanha será um dos principais beneficiários com 140 bilhões de euros.

A digitalização da economia é um dos grandes eixos colocados pelo governo espanhol na utilização desses fundos europeus. Pretende-se também reorientar, para setores de maior valor acrescentado, uma economia altamente dependente do turismo.

Já na década de 1960, a Espanha atraiu grandes produções de spaghetti western para as paisagens desérticas da província de Almería ("Por uns Dólares a Mais", "Três Homens em Conflito").

Nos últimos tempos, se tornou uma importante plataforma de produção de séries. A Netflix abriu seus primeiros estúdios europeus em Madri em 2019, e séries espanholas como Casa de Papel e Elite tiveram grande sucesso internacional.

Da mesma forma, episódios da série "Game of Thrones" foram filmados na Espanha.

emi-avl/mb/ap/mvv