Escultura de vulva gigante em Pernambuco gera discussões sobre gênero

·1 minuto de leitura

Uma vulva de 33 metros em tons de vermelho se abre no alto de uma montanha de Pernambuco, como uma "ferida" com a qual sua criadora busca promover o debate sobre as questões de gênero no Brasil.

"Diva", uma escavação cimentada de seis metros de profundidade, foi projetada pela artista Juliana Notari e exigiu o trabalho de mais de vinte pessoas durante quase onze meses.

"Em 'Diva', utilizo a arte para dialogar com questões que remetem à problematização de gênero a partir de uma perspectiva feminina", explica Notari em um post no Facebook. "Atualmente essas questões têm se tornado cada vez mais urgentes", acrescenta.

A obra "pontua questões marcantes da poética da artista, que desde 2003 é atravessada pela anatomia feminina e busca provocar discussões em torno dos tabus sexuais impostos às mulheres", explica o comunicado de apresentação.

A criação surge em meio à onda conservadora vivida pelo Brasil, que levou o presidente Jair Bolsonaro ao poder, marcada por discussões polarizadas sobre questões de gênero, inclusão de minorias e direito ao aborto.

A publicação de Notari foi alvo de críticas e ridicularização. "E quem achar feio é fascista kkkkkkk ô meu deus... Se era quinze minutos de fama que você queria, conseguiu!", escreveu um usuário no Facebook.

Outros aplaudiram a capacidade da artista de levar à reflexão. As reações "são espelho, um sucesso", tuitou o cineasta Kleber Mendonça Filho ('Bacurau', 'Aquarius'), que comemorou a exibição da obra "em plenos anos Bolsonaro".

"É também uma ferida", definiu Notari, referindo-se à escavação que corta o terreno de uma antiga usina de açúcar no município de Água Preta, a 130 km da capital Recife.

pr/js/ic/am