Escultor de Mossul 'recria o que foi demolido' em murais que retratam a história do Iraque

O escultor Khaled al-Abadi olha murais que esculpiu retratando cenas da história da cidade de Mosul, no Iraque.

(Reuters) - As gravuras cuidadosamente esculpidas de leões, carruagens e pássaros do escultor iraquiano Khaled Al-Abadi decoram sua oficina em Mosul - a realização de um sonho de "recriar o que foi demolido" durante os turbulentos anos de guerra.

"Durante o período do Estado Islâmico, quando meu colega e eu estávamos andando, víamos as estátuas que foram removidas e os portões que estavam sendo demolidos, ficamos muito preocupados com isso", disse Al-Abadi à Reuters.

Seus murais de argila refletem a longa história do país – desde o período assírio até a ocupação do Estado Islâmico.

"Queremos lembrar às próximas gerações que esta é a história de Nínive", disse ele, referindo-se à antiga cidade assíria localizada perto da moderna Mossul. "Esta é a história de Mosul. Esta é a história do Iraque."

O pátio onde estão expostos cerca de 20 murais está localizado na antiga Mossul, uma parte da cidade que sofreu danos significativos durante a guerra para recapturar a cidade dos militantes do Estado Islâmico, que também destruíram muitos de seus locais antigos em um tumulto.

A rica herança cultural do país sofreu durante seus conflitos. No ano passado, artefatos antigos saqueados e contrabandeados para fora do Iraque após a invasão dos EUA em 2003 foram expostos em Bagdá, incluindo uma tabuleta de argila de 3.500 anos com parte da Epopéia de Gilgamesh, o antigo conto sumério que se acredita ser um dos primeiras peças de literatura do mundo.

(Reportagem de Charlotte Bruneau)