Escritor Lira Neto desiste de livro sobre pandemia bancado pelo governo do Ceará

JOÃO VALADARES
·3 minuto de leitura

RECIFE, PE (FOLHAPRESS) - O jornalista e escritor Lira Neto, que assinaria livro bancado pelo governo do Ceará sobre os efeitos da pandemia no estado, comunicou na tarde desta quarta-feira (10) seu afastamento do projeto. O poder público estadual iria investir R$ 547 mil para produzir e distribuir 2.000 exemplares gratuitamente em escolas, bibliotecas e órgãos públicos do Ceará. O escritor receberia 24,7% do valor global, o que corresponde a R$ 135.600, com impostos incluídos, por cinco meses de trabalho. Em nota, Lira Neto disse que, após interpretações e ilações publicadas na imprensa, resolveu solicitar o afastamento. O governo do Ceará ainda não se posicionou oficialmente sobre a desistência. O escritor, que tem no seu currículo 12 livros publicados e quatro prêmios Jabuti de Literatura, afirmou que havia assumido a autoria do trabalho com entusiasmo e consciente da responsabilidade social que a tarefa envolvia. “Contudo, diante de interpretações e ilações as mais diversas, publicadas na imprensa e repercutidas por canais de divulgação online — algumas delas levianas, que buscaram atingir-me o nome e a reputação —, decidi solicitar ao Governo do Estado do Ceará e à empresa Soter Designer o meu afastamento pessoal e profissional do projeto”, declarou. Em outro trecho da nota, o escritor destaca que, após décadas de profissão na imprensa e no mercado editorial, o seu nome é o único patrimônio de que dispõe. Ele ressaltou que a ideia de escrever e publicar um livro-reportagem sobre o enfrentamento à Covid-19 no Ceará partiu do pressuposto de que se faz necessário documentar, em perspectiva histórica, o drama enfrentado nos últimos meses pelo conjunto da sociedade. O escritor mencionou que perdeu amigos e teve familiares muito próximos internados em decorrência da doença. O extrato de inexigibilidade de licitação para o projeto editorial foi publicado no Diário Oficial do Estado do Ceará do dia 2 de fevereiro. Na justificativa, o governo estadual diz que a publicação vai demonstrar a real condição da doença para a população por meio de divulgação de informações confiáveis, objetivas e embasadas dos profissionais de saúde. Também, segundo informações oficiais, haverá relatos de pessoas que contraíram a Covid-19. Em nota, o governo do Ceará comunicou que o apoio à publicação seguiu todas as questões legais de contratação com base na Lei Estadual 16.142, que estabelece normas gerais sobre a política de patrocínio da administração pública. A remuneração que seria repassa ao escritor engloba trabalhos de pesquisa documental, realização de entrevistas e redação do livro. Para executar o trabalho, ele tinha montado uma equipe com três jornalistas. Ouvido pela reportagem, Lira Neto, que mora atualmente em Portugal, destacou que havia sido contratado apenas para entregar o texto e encaminhá-lo para posterior edição. “Meu trabalho resume-se a isso. Não tive nenhuma ingerência, nem qualquer ciência, sobre os demais custos envolvidos no projeto, que presumo devem abranger a produção gráfica e editorial, além da impressão, distribuição e divulgação”, explicou. Cem entrevistas seriam realizadas com profissionais de saúde, pacientes e familiares de vítimas da pandemia. Os outros 75,3% do valor global do projeto seriam destinados à empresa Soter Design, contratada pelo governo do Ceará. Caberá à empresa a coordenação editorial executiva, elaboração do projeto gráfico, diagramação, aquisição de direitos de imagens e também custos de administração, da impressão ao frete. O contrato também determinava a realização de palestras e workshop sobre o tema.