Escola convida drag queen para ler histórias para crianças no Dia Mundial do Livro – e elas adoram

[Foto: SWNS]

No Reino Unido, o Dia Mundial do Livro é comemorado nas escolas com os alunos usando fantasias de seus personagens favoritos e conversando sobre os melhores livros que estão nas bibliotecas ou livrarias, no momento.

No entanto, uma escola primária de Bristol, Inglaterra, decidiu usar a data tão querida para celebrar a tolerância e a diversidade, juntamente com o amor pela literatura.

Em vez de pedir que um dos professores lesse uma história para as crianças, uma drag queen chamada Sally, usando um sapato de salto alto brilhante cor-de-rosa e um vestido do mesmo tom, foi convidada para assumir este papel.

Ela cantou a música ‘Old Macdonald’ diante de um grupo de alunos bastante atentos.

Sally também leu uma história chamada ’10.000 Dresses’ (10 mil vestidos, em tradução livre), sobre um menino que sonhava com roupas bonitas, mas não tinha a aprovação de sua mãe.

[Foto: SWNS]

Os alunos, vestidos de piratas, princesas, sereias e bruxas, fizeram perguntas como: “Onde você comprou esse seu vestido brilhante?”

Sally disse: “Eu ganhei de presente da minha melhor amiga no Natal, e os sapatos brilhantes foram um presente do meu parceiro”.

Sally, de 27 anos, que antes trabalhava como cuidadora, leu para as crianças acompanhada por Alyssa, outra drag queen.

A escola já tem uma política de uniformes sem distinção de gênero e banheiros unissex, e o diretor da instituição, Sr. Barry, disse que quer “acabar com os estereótipos de gênero”.

“Alguns dos pais disseram que nós estávamos sendo incisivos demais com o tema, mas os livros já faziam parte do nosso catálogo na biblioteca. Já sabíamos que algumas pessoas iriam questionar se a escolha era apropriada, então fizemos um convite oficial para que todos os pais que tivessem interesse pudessem comparecer”.

[Foto: SWNS]

Ele acrescentou: “Para mim, estamos ensinando valores humanos básicos e promovendo o respeito entre todos. Estamos tentando quebrar barreiras”.

Tom Canham, de 26 anos, organizou o evento e disse que deu início ao projeto “Hora da História com Drag Queens” após descobrir que a iniciativa já existia nos Estados Unidos, mas não no Reino Unido.

Ele disse: “A única negatividade que recebemos veio de pessoas que não compareceram aos nossos eventos e se recusaram a ir. Das 2.500 crianças que assistiram às nossas performances, somente três disseram ‘Você é um homem usando um vestido’”.

“As crianças não têm este tipo de expectativa”.

Diversas mães também acusaram o diretor de ser “vago” ao divulgar informações sobre o evento, sem indicar quais drag queens compareceriam e quais histórias seriam lidas para as crianças.

Apesar disso, a escola afirmou que a segurança de seus alunos é sua principal prioridade.

A escola primária Parson Street ganhou recentemente o prêmio Gold Best Practice da instituição educacional LGBT Educate & Celebrate.

[Foto: SWNS]

Os pais disseram que ficaram preocupados por não saberem se as drag queens que se voluntariam para o projeto tiveram seu histórico verificado pela polícia.

No entanto, a organização afirmou que muitas das drag queens com quem trabalha, foram previamente verificadas pela política local por terem sido, anteriormente, professoras e voluntárias.

O Sr. Canham disse: “Todo o material de leitura que usamos em nossas performances é escrito especificamente para crianças e cobre os tópicos com os quais temos envolvimento, num formato apropriado para a idade dos alunos”.

“Muitas das crianças não serão LGBT, mas em algum momento da vida elas entrarão em contato com alguém que é. Nós temos a oportunidade de oferecer aos nossos filhos um mundo melhor, onde poderão crescer livres do medo da rejeição ou do abuso por serem quem são”.

“O ‘Hora da História com Drag Queens’ tem orgulho de trabalhar com organizações fantásticas em todo o país para transformar este sonho em realidade”.

Georgie Darling