Erika Januza reverbera histórias de mulheres reais: “É muito poderoso”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Erika Januza deu voz à história de Jôjo Serviços (foto: reprodução / instagram @erikajanuza)
Erika Januza deu voz à história de Jôjo Serviços (foto: reprodução / instagram @erikajanuza)

Erika Januza está estrelando a nova campanha das sandálias Ipanema e no filme conta histórias de mulheres reais. Em conversa exclusiva com o Yahoo!, ela contou mais sobre a potência da ancestralidade e a capacidade de inspirar outras tantas que virão.

“Tenho muito orgulho das mulheres que me criaram, me transformaram em quem sou hoje e poder dar voz a elas e tantas outras no nosso país é muito poderoso. Quantas vezes elas quiseram falar e não puderam? Quantas vezes quiseram fazer cosias que não tinham oportunidade e espaço? Hoje as mulheres estão cada vez mais fortes, potentes, corajosas, donas de si e fico feliz em estar aqui contando para as que virão que elas podem tudo”, afirmou.

Leia também:

Com a campanha “Sempre Nova”, a marca quer ampliar a conversa com seu público e reverberar as narrativas de mulheres reais e dar passos guiados pela liberdade. Para tal também foram escolhidas Regina Casé e apresentadora Ana Clara como porta-vozes.

Januza conta a história de Joelma, ou a Jojô Serviços, que ajudou diversas pessoas a encontrarem profissões dignas e transformarem suas vidas. “Uma mulher real é a que faz o que quer. Que tem o poder de colocar seus desejos em prática. Que sai com a cara lavada, com roupa curta, com o cabelo curto, uma mulher que cuida da casa, da família, se arruma para sair para a balada. Faz o que ela quer sem a aprovação de ninguém. Ser dona da minha vida é uma coisa poderosa. Não preciso da aprovação de ninguém, sei de mim. Hoje estou arrumada e maquiada, mas daqui a pouco estou em casa pegando coco de cachorro e fazendo a minha comida. A mulher real é tudo ao mesmo tempo”, ressalta.

A atriz ainda comenta a importância se sempre ser a sua melhor versão. “Posso ser a melhor cabeleireira que eu puder. A melhor médica que eu puder. A melhor gari. É ser o melhor que eu puder. Trazer luz a histórias fortes, de mulheres reais, é necessário porque as pessoas precisam ver que a vida real tem valor. Às vezes vemos tantas coisas bonitas que são de mentira que imaginamos: ‘a minha vida não é assim’. Mas será que aquilo é real? Será que a sua vida real não é mais potente que tudo isso”, aconselha.

Desde “Subúrbia”, quando Erika estreou na televisão em 2012, ela não mudou seu jeito tímido e não é vista ostentando nas redes sociais. “Tem certas coisas que são muito fáceis de nos envolver quando não temos uma base forte e sólida. Sei tudo que passei para chegar aonde cheguei. Mas quando olho para trás e vejo o que passei e aprendi, porque preciso mudar o que sou e esquecer os perrengues que passei e hoje me deslumbrar com alguma coisa que amanhã pode não existir mais. Agradeço a cada dia tudo que já fiz e o que vou fazer, que nem sei o que é. Mas é estranho e triste quem se deslumbra com várias coisas”, concluiu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos