Epidemia de covid-19 frustra cerimônias do Nobel

Pierre-Henry DESHAYES
·3 minuto de leitura
O Programa Mundial de Alimentos recebeu o Prêmio Nobel da Paz por suas ações em países como o Iêmen, devastado por uma guerra de anos
O Programa Mundial de Alimentos recebeu o Prêmio Nobel da Paz por suas ações em países como o Iêmen, devastado por uma guerra de anos

As cerimônias do Nobel serão reduzidas à sua expressão mínima este ano devido às restrições em decorrência da pandemia de covid-19, que impede os laureados de viajarem para receber seus prêmios pessoalmente.

A tradicional cerimônia com a presença dos vencedores, seguida de um banquete, não acontecerá este ano no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do fundador, o cientista e empresário sueco Alfred Nobel (1833-1896), devido à crise sanitária.

Geralmente ocorre em Estocolmo para os prêmios das disciplinas científicas, literatura e economia, e em Oslo para o prêmio da paz.

Ao adiar a celebração física da entrega de prêmios na Suécia para 2021, a Fundação anunciou nesta quarta-feira que o chefe do Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU, David Beasley, não poderá viajar a Oslo em dezembro para receber o Prêmio Nobel de Paz 2020.

"Estamos considerando a possibilidade de realizar uma cerimônia de premiação digital", no dia 10 de dezembro, disse a Fundação, que espera que Beasley participe no próximo ano.

"Neste momento, dadas as circunstâncias em Oslo, não seria possível realizar a cerimônia ou o resto das atividades do programa do vencedor", disseram os organizadores em um comunicado.

É preciso voltar a 1976 para encontrar um Nobel 'sem cerimônia' em 10 de dezembro na capital norueguesa. Naquele ano, o prêmio foi "reservado", ou seja, não foi concedido, pois nenhum dos candidatos foi considerado digno do prêmio. No entanto, foi concedido retroativamente no ano seguinte.

A cerimônia de 1977 recebeu os vencedores de 1976 e 1977, lembra o bibliotecário do Instituto Nobel, Bjørn Vangen. 

Mas, até onde se sabe, exceto por aquele adiamento, uma cerimônia do Nobel nunca havia sido cancelada.

- Cadeira vazia -

Apesar de sua taxa relativamente baixa de infecções por covid-19 em escala europeia, a Noruega reforçou as medidas sanitárias, principalmente ao limitar consideravelmente as reuniões culturais e esportivas, em uma tentativa de impedir o surto de novos casos registrados durante as últimas semanas.

Ao adiar as festividades físicas até 2021, o Prêmio Nobel da Paz segue o mesmo caminho dos premiados em Estocolmo, onde decisão semelhante já havia sido anunciada em setembro.

Na ausência de uma cerimônia do Nobel - pela primeira vez na Suécia desde 1944 - os organizadores suecos organizaram um evento televisionado. 

Em Oslo, os responsáveis por distinguir o Prêmio Nobel da Paz até agora mantinham a esperança de receber Beasley no próximo mês, já que previam reduzir significativamente o formato da cerimônia. 

O prestigioso prêmio foi concedido ao PMA em 9 de outubro por sua luta contra a fome, frequentemente usada como uma "arma de guerra".

A cerimônia em torno do Prêmio Nobel da Paz, concedido pela primeira vez em 1901, conheceu diferentes formatos ao longo do tempo.

Depois de um início minimalista, reduzido a um simples anúncio no Parlamento, após a Segunda Guerra Mundial sua celebração ganhou grande brilho. Atualmente é comemorado na Prefeitura de Oslo, na presença da família real, parte do governo norueguês e embaixadores credenciados. 

“Às vezes acontecia que o vencedor não estava presente (Aung San Suu Kyi, Mikhail Gorbachev, Liu Xiaobo)”, enfatiza Vangen, “mas, de qualquer forma, a cerimônia sempre acontecia”, acrescenta.

Ainda assim, uma cadeira vazia foi colocada no pódio, como foi o caso em 2010 do dissidente chinês Liu Xiaobo, que então estava preso em seu país.

phy/map/sg/age/mb/mr