Entenda por que Sean Connery foi o maior 007 da história

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O primeiro e mais marcante James Bond dos cinemas ganhou vida na pele de Sean Connery, que morreu neste sábado (31), aos 90 anos. O ator escocês encarnou o espião mais famoso das telas entre 1962 e 1971 em seis filmes da série. Um Bond que quase não sorria. Assim Connery se firmou no papel e alçou a série ao sucesso. A primeira vez que disse "Bond, James Bond" foi em "007 contra o Satânico Dr. No". Seguiu cercado por mulheres elegantes e à caça de vilões em "Moscou Contra 007", de 1963, "007 Contra Goldfinger", de 1964, "007 Contra a Chantagem Atômica", de 1965, e "Com 007 Só Se Vive Duas Vezes", de 1967. Deixou a franquia depois desses cinco episódios e no auge do sucesso internacional. Foi substituído pelo australiano George Lazenby em 1969. A troca foi um fracasso, e os executivos convenceram o escocês a retornar em "007 - Os Diamantes São Eternos", de 1971, com um adiantamento de US$ 1 milhão. Até 2012, quando foi lançado "007 - Operação Skyfall", dois dos filmes estrelados por Connery eram os líderes em bilheteria dentro da franquia. Em valores corrigidos pela inflação, "Chantagem Atômica" e "Goldfinger" superaram US$ 1 bilhão de faturamento. O escocês de quase dois metros de altura era a personificação do charme do agente secreto de Ian Fleming. Toda a valentia, a força, a beleza do agente inatingível era associada ao rosto de Sean Connery. No filme seguinte, quem assumiu foi Roger Moore, que seria o espião por 12 anos. Moore, primeiro inglês a representar o personagem, teve altos e baixos. Tornou Bond mais descontraído, com tiradas até nas cenas mais tensas. Para os puristas, foi uma infantilização do agente secreto. Com Moore, o 007 viajou ao Brasil e ao espaço no filme que é considerado por alguns como o pior da série, "007 Contra o Foguete da Morte", de 1979. Ele se despediu depois de sete filmes, aos 58 anos, em "007 na Mira dos Assassinos", de 1985. O quarto James Bond, Timothy Dalton, prestou serviços à rainha da Inglaterra em "007 - Marcado para a Morte", de 1987, e " 007 - Permissão para Matar", de 1989. O bastão foi passado a Pierce Brosnan, que ficou na pele do espião em quatro produções, entre 1995 e 2002. Daniel Craig assumiu a identidade do espião em "007: Cassino Royale", de 2006. Até 2015 foram mais três produções, e para 2021 é aguardada a quinta participação de Craig, a última, no 25º filme do agente 007. Os Bonds de Connery '007 Contra o Satânico Dr. No' (1962) Nota do IMDB: 7,2 Bilheteria: US$ 510,2 milhões (valores corridos pela inflação) Em sua primeira aventura, o agente vai à Jamaica investigar um misterioso cientista que realiza experimentos numa ilha. É famoso por uma das cenas mais conhecidas da franquia, a aparição da "Bond girl" Honey Rider, papel de Ursula Andress, trajando um biquíni branco 'Moscou Contra 007' (1963) Nota do IMDB: 7,4 Bilheteria: US$ 675,5 milhões O agente secreto retorna incumbido de proteger uma desertora russa que planeja entregar ao Ocidente uma máquina decodificadora. Marca a primeira aparição do líder da Spectre, a organização criminosa com planos de dominação mundial '007 Contra Goldfinger' (1964) Nota do IMDB: 7,7 Bilheteria: US$ 1,05 bilhão O espião precisa deter um milionário que tem planos de dominar o mercado do ouro. O filme marcou época por suas cenas antológicas (como a da garota pintada de ouro) e definiu muitos dos chavões de Bond, como a música-tema após uma cena de abertura '007 Contra a Chantagem Atômica' (1965) Nota do IMDB: 7 Bilheteria: US$ 1,17 bilhão Em sua quinta missão, o agente vai às Bahamas deter um dos membros da Spectre, que sequestrou ogivas nucleares da Otan. É conhecido por suas cenas subaquáticas, tidas como inovadoras para a época 'Com 007 Só se Vive Duas Vezes' (1967) Nota do IMDB: 6,9 Bilheteria: US$ 873 milhões É um filme praticamente ambientado todo no Japão. Após forjar a própria morte, 007 investiga um complô comandado pela Spectre, que planeja pôr Estados Unidos contra a Rússia, ao sequestrar foguetes de cada um dos dois países '007: Os Diamantes São Eternos' (1971) Nota do IMDB: 6,6 Bilheteria: US$ 747 milhões Connery retorna numa última incursão oficial pelo personagem. Em Las Vegas, 007 investiga um plano de extorsão envolvendo diamantes comandado por sua arqui-inimiga Spectre '007: Nunca Mais Outra Vez' (1983) Nota do IMDB: 6,2 Bilheteria: US$ 414 milhões Como que para exorcizar James Bond de sua carreira, Sean Connery voltou ao papel para se despedir neste filme fora da franquia oficial