Entenda o câncer no pulmão que a cantora Rita Lee está tratando

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.06.2018 - Cantora Rita Lee durante lançamento do livro
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.06.2018 - Cantora Rita Lee durante lançamento do livro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cantora Rita Lee, 73, anunciou nesta quinta-feira (20) que está em tratamento contra um câncer primário no pulmão esquerdo, diagnosticado após realizar exames de rotina no hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Este tipo de câncer atinge 30 mil brasileiros por ano e em 90% dos casos está relacionado a cigarro, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer).

A oncologista e presidente da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica), Clarissa Mathias, diz que o tumor primário é quando ele começa no próprio órgão. "Ele não veio de outro órgão, não foi uma metástase [quando o câncer se espalha pelo organismo atingindo outros órgãos]", explica.

Clarissa diz que as chances de cura vão depender muito do tipo de câncer no pulmão, do estágio da doença e da resposta do tratamento. O tratamento adotado pela equipe médica que atende a cantora é uma combinação de radioterapia e imunoterapia, segundo comunicado divulgado em seu perfil na rede social.

Segundo a oncologista, a imunoterapia é um enorme avanço no tratamento do câncer e seu uso está aprovado há cerca de quatro anos no Brasil. "A imunoterapia é um dos tratamentos mais modernos e eficazes para câncer de pulmão. Ela destrava o sistema imunológico do organismo e ele próprio reconhece as células do câncer e o combate", explica

O oncologista clínico e presidente do Instituto Oncoclínicas, Carlos Gil Ferreira, diz que o diagnóstico precisa ser individualizado e preciso para que a imunoterapia funcione. Segundo ele, conhecendo as células cancerígenas as medicações vão agir para fortalecer o sistema imunológico combatendo a doença.

"Antes, o que ocorria era a destruição total das células, inclusive as saudáveis, para a eliminação do mal. Agora, o tratamento é focado, o que aumenta as chances de sucesso e qualidade de vida", afirma o oncologista clínico.

A presidente da SBOC afirma que a imunoterapia pode ser utilizada isoladamente ou associada à quimioterapia ou radioterapia. "Existem vários tipos de tratamento para o câncer e de acordo com a característica do tumor, perfil molecular [características únicas do câncer em um paciente] e estágio da doença".

Já a radioterapia, a que Rita Lee está sendo submetida, é um tratamento que utiliza radiações para destruir câncer e evitar que as células aumentem. "É feito com uma uma máquina com aplicação de radiação para controle local da doença".

FAMOSOS E A LUTA CONTRA O CÂNCER

Outros famosos foram surpreendidos com o diagnóstico de câncer, enfrentaram e venceram a luta contra a doença. Alguns ainda passam pelo tratamento e outros perderam a batalha para o câncer, como a atriz Eva Wilma, 87, que morreu no dia 15 de maio em decorrência de um câncer no ovário.

A doença da atriz foi descoberta dias antes da morte. Ela havia sido internada em abril para tratar problemas cardíacos e renais quando recebeu o diagnóstico.

O produtor musical Dudu Braga, 52, filho do cantor Roberto Carlos, trava uma batalha desde o ano passado contra um câncer no peritônio. Em abril, ele voltou a ser internado em um hospital, em São Paulo.

A apresentadora Fátima Bernardes, 58, se afastou da apresentação do programa Encontro (Globo), em dezembro de 2020, após diagnóstico de um câncer de útero em estágio inicial. Em abril deste ano, ela anunciou a cura no programa Conversa com Bial.

No final de janeiro de 2020, a apresentadora Ana Maria Braga, 72, recebeu diagnóstico de câncer de pulmão. Ela já havia enfrentado a doença outras três vezes, uma delas no pulmão. Em abril do mesmo ano, ela anunciou estar curada.